Tamanho do texto

Theresa May vinha negociando com o Partido Trabalhista do Reino Unido para aprovar uma proposta para o Brexit; saída da UE depende de acordo

Theresa May
Reprodução/UK Prime Minister
Theresa May já sofreu três derrotas no Parlamento em tentativas de aprovar acordo do Brexit

O Partido Trabalhista do Reino Unido, de oposição, anunciou o fim das conversas sobre o Brexit com o governo da primeira-ministra Theresa May. Com isso, May perde força para aprovar uma nova proposta.

Quase três anos depois de o país decidir por sua saída da União Europeia (UE), em um referendo por 52% a 48% dos votos, ainda não está claro quando, como ou mesmo se o país sairá algum dia do bloco ao qual se filiou em 1973. O  novo prazo para o Brexit é 31 de outubro.

As conversas do Partido Conservador, de May, e dos trabalhistas sobre a saída desmoronaram horas depois de a premiê concordar, nessa quinta-feira (16), em estabelecer um cronograma para sua renúncia no início de junho.

O líder dos trabalhistas, Jeremy Corbyn, escreveu a Theresa May informando-a que as conversas do Brexit, que começaram em 3 de abril, foram "tão longe quanto podem" devido à instabilidade de seu governo.

"Não conseguimos superar diferenças de diretrizes importantes entre nós", escreveu Corbyn a May. "Ainda mais crucial é que a fraqueza e a instabilidade crescentes de seu governo significam que não pode haver confiança em assegurar o que quer que seja combinado entre nós", disse o líder da oposição.

Leia também: Brexit: entenda o vai e vem da saída do Reino Unido da União Europeia

Os trabalhistas, no entanto, temem que qualquer meio-termo em temas como os direitos dos trabalhadores seja descartado pelo sucessor de May.

Ele acrescentou que os trabalhistas se oporão ao acordo de May quando este voltar ao Parlamento no início do próximo mês. O acordo de separação, que May acertou com a UE no ano passado, já foi rejeitado três vezes por um Parlamento profundamente dividido.

A crise britânica surpreende aliados e rivais, e o impasse em Londres faz com que a quinta maior economia do mundo enfrente opções como uma saída com acordo para suavizar a transição, uma saída sem um pacto, uma eleição ou um segundo referendo .

O impasse do Brexit não deve ser superado rapidamente. May submeterá o "Projeto de Lei (do Acordo de Retirada) da União Europeia" a uma votação no Legislativo no início de junho , embora rebeldes de seu partido tenham prometido rejeitá-lo. Depois, ela tem que aceitar um cronograma para a eleição de um sucessor.