Presidente do Peru faz discurso no dia da independência do país, em Lima
AP
Presidente do Peru faz discurso no dia da independência do país, em Lima

O Ministério Público do Peru pediu nesta terça que o ex-presidente Ollanta Humala seja condenado a 20 anos de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção, na primeira acusação formal na Justiça contra um ex-mandatário do país nos casos de subornos vinculados à empreiteira brasileira Odebrecht. 

Leia também: "Tomara que a moda pegue no Brasil", diz Major Olímpio sobre suicídio de ex-presidente do Peru

O promotor do caso, Germán Juárez, apresentou as acusações ante um juiz e incluiu na denúncia a esposa e o partido político de Humala por supostamente terem recebido US$ 3 milhões (cerca de R$ 12 milhões) da Odebrecht para a campanha eleitoral presidencial de 2011.

Segundo a promotoria, parte dos recursos entraram nas contas do Partido Nacionalista Peruano, mas outra parte foi utilizada para elevar o patrimônio de Humala e sua esposa, Nadine Heredia.

Humala, militar aposentado que governou o país entre 2011 e 2016, nega as acusações e afirma que as investigações são produto de uma “perseguição política”.

Você viu?

"O Partido Nacionalista está incluído como réu para que no caso de se conseguir uma sentença condenatória se pede a dissolução desde partido que foi sido instrumentalizado para lavar dinheiro", disse Juárez após apresentar a acusação de mais de 1,5 mil páginas.

Ex-diretores da Odebrecht, incluindo o ex-chefe da empresa no Peru, Jorge Barata, reiteraram em fevereiro à promotoria peruana que deram dinheiro para a campanha de Humala a pedido do Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil. O ex-militar acabou ganhando a eleição com um discurso radical de esquerda.

Juárez solicitou uma pena maior, de 26 anos de prisão, para Heredia, a quem também acusa de ocultar bens e de fundos da campanha de 2006, quando Humala tentou pela primeira vez chegar à Presidência do Peru.

Leia também: Social-democrata vence eleições no Panamá com discurso "anti-Odebrecht"

Humala passou nove meses preso preventivamente entre 2017 e 2018 pelo caso Odebrecht , que teve uma reviravolta dramática há quase três semanas com o suicídio do ex-presidente Alan García, que deu um tiro na própria cabeça quando a polícia chegou a sua casa para prendê-lo por acusações de corrupção.

O caso Odebrecht atinge quatro dos últimos presidentes do Peru . Além de García e Humala, são acusados de receber subornos da empresa brasileira Pedro Pablo Kuczynski, conhecido como PPK, que cumpre prisão domiciliar de três anos, e Alejandro Toledo, que vive nos EUA, onde luta contra um pedido de extradição pela Justiça peruana.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários