Tamanho do texto

Líder opositor está na embaixada da Espanha na Venezuela após ter conseguido sair da prisão domiciliar em circunstâncias ainda nebulosas

Guaidó ao lado de Leopoldo Lopez
Reprodução/Twitter
Guaidó ao lado de Leopoldo Lopez

Um tribunal de Caracas decretou nesta quinta-feira a prisão do líder  opositor Leopoldo López, que está na embaixada da Espanha na Venezuela após ter conseguido sair da prisão domiciliar com a ajuda de membros da polícia.

Leia também: Ministério Público quer que TCU investigue notas fiscais secretas do Senado

O tribunal decidiu revogar a medida de prisão domiciliar por "violação flagrante" e ordenou que o  Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) o prenda imediatamente. López deixou na terça-feira a prisão domiciliar em circunstâncias ainda nebulosas, supostamente auxiliado por agentes do Sebin. Ele se uniu a Guaidó na operação contra Maduro, anunciada em vídeo gravado perto da base aérea de La Carlota, na capital da Venezuela , após uma rebelião de oficiais.

Um dia depois, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro , anunciou que o general Gustavo González López voltaria a assumir a direção do Sebin, no lugar do general Manuel Ricardo Cristopher Figuera, acusado por um membro da Assembleia Constituinte (composta por simpatizantes do regime) de estar envolvido na libertação de López.

Na manhã desta quinta-feira, a mulher do opositor, Lilian Tintori, denunciou que a casa do casal em Caracas foi invadida e roubada. A família se refugiou na embaixada da Espanha na terça-feira após uma tentativa frustrada da oposição venezuelana de depor Nicolás Maduro com a ajuda de militares rebeldes.

O governo da Espanha emitiu um comunicado informando que "não tem intenção" de entregar o opositor Leopoldo López à Justiça da Venezuela. Além disso, Madri afirma que confia que as autoridades locais respeitarão a "inviolabilidade da residência do embaixador espanhol". López está na Embaixada da Espanha em Caracas como "hóspede", após ter escapado de seu regime de prisão domiciliar.

Leia também: Deputado eleito como 'Helio Bolsonaro' quer PMs dentro de universidades

A invasão ocorreu na noite de terça-feira, quando nem o casal nem seus filhos estavam na residência, segundo Tintori. "Entraram em nossa casa, como delinquentes, sem ordem de busca e sem a nossa presença. Destruíram a casa e roubaram nossas coisas", escreveu ela, no Twitter.