Tamanho do texto

Chuvas contínuas, que caem desde a madrugada de domingo, tornaram quase impossível a missão de entregar auxílio às populações afetadas

Ciclone em Moçambique
Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho
Ciclone destruiu estradas e casas na cidade de Beira, em Moçambique


Chove sem parar há três dias na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, já severamente afetada pela passagem, quinta-feira, do ciclone Kenneth.O governo estima que um milhão de pessoas tenham sido afetadas.Até o momento, há 38 mortos, mas o número deverá aumentar nas próximas horas à medida em que o socorro chega a povoações mais distantes.

Leia também: Ciclone Kenneth já deixou 38 mortos em Moçambique

A devastação foi generalizada e deve se agravar por causa das inundações em Moçambique . O desespero marca a ordem do dia para a população e para os que vão prestar auxílio.

A ONU - Organização das Nações Unidas - admitiu grandes problemas em fazer chegar ajuda à região.

Leia também: Depois de dois ciclones, Moçambique agora é ameaçada por chuvas torrenciais

É uma situação "incrivelmente difícil", explicou o gabinete das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários.

As chuvas contínuas, que caem desde a madrugada de domingo (28) em Moçambique , tornaram quase impossível a missão de entregar auxílio às populações afetadas.