Tamanho do texto

Gravações registram atos de manifestantes que tentam se proteger de gás lacrimogênio, buzinaços nas ruas e militares espalhados pela capital

venezuelanos
Reprodução/Twitter
Vídeo de venezuelanos sendo atacados por militares apoiadores de Maduro após chamado de Guaidó

Imagens que circulam pelas redes sociais mostram a movimentação de venezuelanos pelas ruas de Caracas após o líder opositor Juan Guaidó — que em janeiro se proclamou presidente interino com o apoio da Assembleia Nacional de maioria opositor — publicar em suas redes sociais nesta manhã um vídeo, gravado próximo à base militar de La Carlota, no bairro de Altamira no qual anuncia "o fim definitivo da usurpação" do poder pelo presidente Nicolás Maduro.

Leia também: Guaidó avisou governo brasileiro sobre tomada de poder na Venezuela

Para além de gritos de apoio à Guaidó, as imagens registram grupos de manifestantes buscando se proteger de bombas de gás lacrimogêneo lançadas na Venezuela . Militares armados e carros blindados se juntam aos civis nas ruas, enquanto motoristas fazem "buzinaços" na cidade.
São poucos os registros online do que ocorre nesta no país, já que acesso à internet no está muito restrito.

A deputada opositora Gaby Arellano denunciou que o regime chavista derrubou o acesso à rede em todo o país. Segundo o portal NetBlocks.org , que rastreia o funcionamento de internet pelo mundo, sites como Youtube, Bing, Google e até o sistema operacional Android estão fora do ar ou funcionando precariamente no país.

Leia também: Ministro venezuelano fala em "militares traidores" e diz temer "golpe de Estado"

No vídeo publicado nesta manhã, Guaidó aparece cercado de militares e afirma que "hoje valentes soldados acudiram a nosso chamado" e conclama a população a ir às ruas. "Povo da Venezuela, começou o fim da usurpação. Neste momento, me encontro com as principais unidades militares da nossa Força Armada, dando início à fase final da Operação Liberdade", escreveu o líder opositor em sua conta no Twitter.

O governo, que garante não haver mobilização militar em favor da oposição além de um "reduzido grupo de traidores", denunciou uma tentativa de golpe de Estado e convocou cidadãos ao Palácio de Miraflores para a defesa do regime. Interlocutores da oposição na Venezuela  disseram ao O Globo  que "está em marcha um golpe de Estado e a fase final da Operação Liberdade".

Leia também: Quatro meses de impasse: entenda como se intensificou a crise na Venezuela