Tamanho do texto

Ditador norte-coreano vai visitar a Rússia para se encontrar com o presidente ainda no mês de abril; reunião acontece a convite de Putin

Putin e Kim Jong-un
iG Arte
Putin e Kim Jong-un vão se encontrar ainda neste mês, segundo informações divulgadas pelo Kremlin

Em meio a tensões entre Washington e Pyongyang, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, agendou uma visita à Rússia para um encontro com o presidente Vladimir Putin. O Kremlin confirmou, nesta quinta-feira (18)), que uma reunião entre Kim e Putin ocorrerá nesta segunda metade de abril.

Leia também: Kim Jong-un participa de teste de nova arma tática, mas nega que seja nuclear

"O presidente da Comissão de Assuntos Estatais da República Popular Democrática da Coreia, Kim Jong-un , visitará a Rússia na segunda quinzena de abril, a convite de Vladimir Putin", informou o Kremlin em comunicado.

O governo russo anunciou o encontro poucas horas depois de a Coreia do Norte ter divulgado testes de uma nova "arma tática", capaz de transportar uma "ogiva poderosa", e ter condicionado a continuidade do diálogo com Washington à saída do secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Mike Pompeo, da equipe de negociações.

O encontro entre Putin e Kim ocorre num momento em que Moscou busca desempenhar papel relevante nas crises globais. A Rússia amparou militarmente o regime sírio de Bashar Al Assad e, recentemente, enviou aviões de guerra ao governo de Nicolás Maduro, na Venezuela.

O porta-voz do Kremlin , Dmitri Peskov, já tinha afirmado nesta semana que uma reunião entre Putin e Kim estava sendo "preparada", sem oferecer detalhes sobre a data e o local.

Leia também: Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un é reeleito pelo parlamento

Putin participará do fórum sobre a nova rota da seda chinesa, que será realizado em Pequim nos dias 26 e 27 de abril. Por isso, não está descartado que o presidente russo se reúna com Kim antes ou após a viagem à China.

A imprensa russa indicou que o encontro pode ocorrer no campus da Universidade Federal do Extremo Oriente (UFLO), na ilha Russki, ao sul de Vladivostok, onde as aulas nos dias 24 e 25 de abril teriam sido canceladas devido a uma "visita de delegações oficiais".

Nas últimas semanas, aumentou a expectativa em relação à que seria a primeira cúpula entre os líderes russo e norte-coreano, por causa das viagens recíprocas de funcionários do alto escalão dos dois países, após o fracasso do encontro em Hanói sobre desnuclearização, entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos .

O chefe de gabinete de Kim e encarregado da logística de suas viagens ao exterior, Kim Chang-son, viajou a Moscou e a Vladivostok entre 19 e 25 de março. Além disso, ele foi visto nos últimos dias inspecionando as medidas de segurança da Estação Ferroviária de Vladivostok, segundo um funcionário citado pela agência russa Ria Novosti.

Por sua vez, o ministro do Interior da Rússia , Vladimir Kolokoltsev, visitou Pyongyang há duas semanas.

Leia também: Putin abraça disputa nuclear e revela que Rússia tem míssil 'invencível'

Esta seria a primeira viagem de Kim Jong-un à Rússia, que tem laços relativamente fortes com Pyongyang e fornece ajuda alimentar. Seu pai, Kim Jong-il, visitou o país em 2001, 2002 e 2011, e nas três ocasiões viajou em seu trem blindado.

* Com informações da Deutsche Welle (agência pública da Alemanha).