Tamanho do texto

Presidente brasileiro destacou que continuará a trabalhar com aliado 'com base em valores e convicções profundas'; Netanyahu venceu eleições ontem

Jair Bolsonaro e Benjamin Netanyahu
Alan Santos/PR - 31.3.19
Jair Bolsonaro e Benjamin Netanyahu, durante viagem do brasileiro a Israel, no mês passado

O presidente Jair Bolsonaro parabenizou nesta quinta-feira o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pelo resultado da eleição no país. Na véspera, a apuração dos votos do pleito legislativo apontou vantagem do premier na formação de maioria parlamentar, o que deve lhe render um inédito quinto mandato em Israel.

Leia também: Trump comemora reeleição de Netanyahu e diz que aumentam as chances de paz

Embora tenha obtido o mesmo número de assentos no Parlamento que o principal opositor, o ex-comandante militar Benny Gantz, Netanyahu se valeu do resultado de partidos da direita nacionalista e religiosa, cujo apoio lhe deu condições de formar uma coalizão governista com 65 dos 120 assentos no Knesset.

Netanyahu apostou em viagens internacionais para consolidar sua força a dias da eleição israelense mais acirrada das últimas décadas. Foi a primeira que colocou em perigo real o poder do premier. Na visita a Israel, o próprio Bolsonaro virou peça de propaganda de campanha do aliado.

Leia também: Trump comemora reeleição de Netanyahu e diz que aumentam as chances de paz

"Parabenizo Netanyahu pela grande vítoria e pela renovação de seu mandato como Primeiro Ministro de Israel . Bibi é um grande líder e seguiremos trabalhando juntos pela prosperidade e pela paz dos nossos povos, com base em nossos valores e convicções profundas", escreveu Bolsonaro, nesta quinta-feira.

Bolsonaro embarcou para Israel em 31 de março, em sua primeira viagem transatlântica como presidente. A visita oficial marcou uma guinada na política externa brasileira em relação ao conflito israelense-palestino, em favor do Estado hebreu. Na ocasião, o líder brasileiro anunciou a abertura de um escritório de negócios em Jerusalém e rezou no Muro das Lamentações ao lado de Netanyahu . Os gestos incomodaram as lideranças palestinas, que denunciam a ocupação do território pelos israelenses, e contrariaram resoluções da ONU sobre o status da cidade sagrada.

Leia também: Israel escolhe amanhã novo Parlamento e primeiro-ministro