Cruzeiro que ficou à deriva na Noruega conseguiu ligar três dos seus motores, mas teve que ser rebocado
Twitter/ @Ludvikeen
Cruzeiro que ficou à deriva na Noruega conseguiu ligar três dos seus motores, mas teve que ser rebocado

O cruzeiro que teve uma falha mecânica neste sábado (23) e ficou à deriva com mais de 1,3 mil  passageiros a bordo em Hustadvika, na Noruega, conseguiu religar três dos seus quatro motores na manhã deste domingo (24). No entanto, a embarcação Viking Sky não conseguiu se mover sozinha e precisou ser rebocado, chegando à terra na tarde deste domingo (24). 

Os cerca de 1,3 mil passageiros começaram a ser evacuados do navio, um a um, neste sábado. Neste processo, apenas 479 pessoas chegaram a ser resgatadas, antes do navio ser rebocado e chegar a um porto da Noruega hoje. Dos passageiros, 20 foram hospitalizadas e, segundo a televisão pública norueguesa NRK , três vítimas do cruzeiro estão em estado grave.

De acordo com o serviço de emergência norueguês, depois que parte dos motores foram religadas, foi rebocado para o porto mais próximo. A embarcação Viking Sky enviou um sinal de socorro ontem devido a "problemas no motor com o mau tempo", segundo as equipes de resgate.

Leia também: Sobe o número de mortos após ciclone em Moçambique

Você viu?

Mesmo com o  reboque , a operação de evacuação dos passageiros continuou na manhã deste domingo. O procedimento contou com a ajuda de quatro helicópteros, segundo Per Fjeld, porta-voz do centro de emergência. Quando rebocado, o navio ainda tinha cerca de 900 pessoas a bordo. 

De acordo com a agência  Reuters,  por volta das 16h30 (11h30 de Brasília) de ontem, uma centena de pessoas foram evacuadas do cruzeiro e, na ocasião, não havia informações sobre feridos.

cruzeiro Viking Sky, de propriedade da Viking Ocean Cruises, foi construído em 2017 e pode acomodar 930 pessoas, de acordo com o site da empresa. Pelas redes sociais, diversos tripulantes têm postado fotos e vídeos do acidente.

Leia também: Passa de 500 o número de mortos pelo ciclone em Moçambique, Zimbábue e Malaui

.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários