Tamanho do texto

Relatório enviado ao Congresso concluiu que os russos interferiram no pleito de 2016, mas o presidente norte-americano não participou desse movimento

Pelo Twitter, como de praxe, Trump comemorou:
Reprodução/Twitter
Pelo Twitter, como de praxe, Trump comemorou: "Nenhum coluio, nenhuma obstrução, completa e total inocência!"

O procurador especial Robert Mueller inocentou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, da acusação de conluio (ou conspiração) com a Rússia para vencer as eleições de 2016. O relatório de Mueller sobre o caso foi enviado na última sexta (22) ao procurador-geral Robert Barr, que encaminhou um resumo do documento ao Comitê Judiciário do Congresso neste domingo (24).

Leia também: Comitê vai investigar Trump por abuso de poder e obstrução de justiça

Apesar de o relatório não isentar Trump da possibilidade de ter cometido outro crime, o de obstrução de justiça, ele deixou a cargo de Barr e de outro procurador, Rod Rosenstein, a decisão de culpá-lo por isso. Ambos, porém, decidiram que essas acusações contra o presidente norte-americano também não procedem.

Como explica a Associated Press, Mueller apresentou seu relatório a Barr em vez de enviá-lo diretamente ao Congresso e ao público porque, diferentemente de conselheiros independentes como Ken Starr no caso do presidente Bill Clinton, suas investigações operavam sob a supervisão do Departamento de Justiça, que o nomeou.

Segundo o resumo do documento, as investigações, que duraram 22 meses, concluíram que a Rússia interferiu, sim, nas eleições presidenciais de 2016, mas que Trump e seus associados não participaram desse movimento. Não ficou provado, ainda, que o presidente norte-americano tenha obstruído a Justiça durante as investigações. 

“O Conselho Especial [criado para investigar o presidente] não descobriu que a campanha Trump, ou qualquer pessoa associada a ela, conspirou ou coordenou com o governo russo nesses esforços, apesar das múltiplas ofertas de indivíduos afiliados russos para ajudar na campanha”, escreveu Barr.

Leia também: Aviões da Força Aérea russa aterrissam na Venezuela carregando tropas

Após a divulgação do resumo do relatório, como de praxe, Trump comemorou a decisão dos procuradores: "Nenhum coluio, nenhuma obstrução, completa e total inocência. Mantenha os Estados Unidos  grande!", escreveu.


Reação dos democratas

Pelo Twitter, o deputado Jerry Nadler criticou a decisão da Justiça sobre Trump:
Reprodução/Twitter
Pelo Twitter, o deputado Jerry Nadler criticou a decisão da Justiça sobre Trump: "Preocupante"

No Congresso, membros do Partido Democrata, de oposição à Trump, exigem o acesso à versão completa do relatório de Mueller, prometendo ir à Justiça, se necessário, para consegui-lo. Pelo Twitter, o deputado Jerry Nadler, um dos integrantes do Comitê Judiciário do Congresso, disse que o procurador-geral será convocado para prestar esclarecimentos sobre a decisão de inocentar o presidente do crime de obstrução de justiça.

Leia também: Trump diz que defenderá entrada do Brasil na OCDE

"À luz das discrepâncias muito preocupantes e da tomada de decisão final no Departamento de Justiça após o relatório do Conselho Especial, em que Mueller não inocentou o Presidente, estaremos convocando o procurador-geral [Robert] Barr para testemunhar [sobre o caso] em um futuro próximo", escreveu.


    Leia tudo sobre: Donald Trump