Protestos dos chamados coletes amarelos reúnem milhares de pessoas em Paris, capital da França
Reprodução/Twitter
Protestos dos chamados coletes amarelos reúnem milhares de pessoas em Paris, capital da França

O primeiro-ministro Edouard Philippe disse, nesta segunda-feira (18), que a França vai encerrar qualquer protesto dos coletes amarelos caso grupos violentos sejam identificados. Após os conflitos entre policiais e manifestantes no último sábado (16), o governo também decidiu demitir o atual chefe da polícia de Paris.

"A partir do próximo sábado, proibiremos protestos de coletes amarelos nos bairros que foram os mais atingidos assim que vermos sinais da presença de grupos radicais e sua intenção de causar danos", disse o primeiro-ministro em um comunicado televisionado.

O 18º sábado de mobilização dos manifestantes foi marcado por agências bancárias destruídas e lojas saqueadas na tradicional avenida Champs-Elysées, segundo informações da Rádio França Internacional (RFI).

Logo cedo, às 10h30 do horário local, 6h30 em Brasília, começaram os incidentes violentos dos protestos nos arredores do Arco do Triunfo. Policiais foram atacados com pedras e outros projéteis cortantes e reagiram com jatos de água. Em seguida, manifestantes construíram barricadas e atacaram carros da polícia, que revidou com bombas de gás lacrimogêneo. 

Você viu?

Leia também: França pede para Trump 'cuidar da própria vida', após tweet sobre atos em Paris

Entre 7 e 8 mil pessoas participam da manifestação no sábado. O ministro do Interior, Christophe Castaner, classificou cerca de 1,5 mil manifestantes como "ultra-violentos". O jornal "Le Monde" informou que ao menos 82 pessoas foram detidas.

Ao longo da última semana, Eric Drouet, um dos líderes do movimento, afirmou nas redes sociais que era necessário acabar com o “pacifismo” nos protestos. Drouet convocou manifestantes de todo o país a se reunir na capital. Ele também citou que militantes apoiadores do movimento poderiam vir da Itália, Bélgica, Holanda, Alemanha e Polônia.

O presidente  Emmanuel Macron  lançou um grande debate nacional, com o objetivo de encontrar soluções à crise ocasionada pelos protestos que acontecem desde novembro . O debate terminou oficialmente nesta sexta-feira (15), mas as propostas feitas por milhares de franceses desde o início do ano estão sendo processadas. O governo deve fazer anúncios oficiais nas próximas semanas, de acordo com a RFI.

Os franceses começaram a série de protestos questionando a alta dos preços do combustível. O uso dos  coletes amarelos  está ligado a este início, uma vez que o acessório é usado por motoristas quando há algum problema com o veículo. As manifestações, no entanto, não possuem mais o mesmo foco e pedem a saída do presidente Emmanuel Macron.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários