Tamanho do texto

Vice-presidente dos EUA agradeceu, em Bogotá, pelo posicionamento brasileiro a respeito da crise humanitária que afeta a Venezuela; entenda

Mike Pence promete que militares que apoiarem Maduro serão responsabilizados pela crise na Venezuela
Reprodução/Flickr/Gage Skidmore
Mike Pence promete que militares que apoiarem Maduro serão responsabilizados pela crise na Venezuela

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, está em Bogotá, na Colômbia, nesta segunda-feira (25) para participar de uma reunião com outros 14 países a respeito da crise humanitária que vem acontecendo na Venezuela, por consequência do regime político do presidente Nicolás Maduro.

Leia também: Exército da Venezuela entra em novo confronto na fronteira com o Brasil

Em seu discurso, Pence reafirmou que Maduro é um "ditador tirano" e disse ainda que todos os militares que continuarem apoiando o regime chavista "serão responsabilizados" pelo que acontecer na Venezuela . Disse, porém, que esses militares possuem a opção de mudar de lado.

"Vocês podem escolher aceitar a generosa oferta de anistia de Guaidó, para viver em paz, com a sua família e compatriotas. Mas, se vocês escolherem o outro caminho, apoiando Maduro, vocês também serão responsabilizados", disse Mike Pence. "Vocês não vão encontrar nenhum porto-seguro, nenhum abrigo, nenhuma saída fácil. Vocês vão perder tudo", afirmou.

"Mas, se vocês assumirem a bandeira da democracia, vamos garantir apoio a vocês. Sabemos que o que impede vocês é o medo. Façam a escolha certa. Aceitem a oferta de Guiadó", continuou. 

Leia também: Mourão defende eleições na Venezuela e descarta "medidas extremas" para crise

Reiterando a legitimidade do presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó , e com críticas severas ao governo de Nicolás Maduro, o vice-presidente dos Estados Unidos anunciou novas sanções ao país vizinho. Ele recomendou ainda que 12 dos 14 membros do Grupo de Lima façam o mesmo, uma vez que Canadá e Colômbia impuseram restrições à gestão de Maduro.

"Os Estados Unidos fazem um apelo a todas as nações que amam a liberdade: que se juntem a nós, reconhecendo o presidente interino Juan Guaidó e seu governo", disse. "Às nações que vêm apoiando Maduro , nós fazemos um apelo: reconsiderem. Juntem-se às nações do mundo todo e fiquem com o apoio ao povo da Venezuela. Se continuarem apoiando esse regime, ficarão cada vez mais isolados no cenário mundial", afirmou.

Mike Pence classificou Maduro como um "usurpador do poder". "A guerra que a Venezuela trava neste momento é a da democracia contra a ditadura", disse. "O que vimos nos últimos dias foi um ato desesperado de um tirano que se agarra ao poder". E agradeceu aos demais países que ajudaram os venezuelanos.

"Aos países presentes aqui hoje, em especial à Colômbia e ao Brasil, quero agradecer pela forma como estão se posicionando quanto a essa crise. Ao vice-presidente Hamilton Mourão: eu vi em primeira-mão em Manaus, o povo brasileiro demonstrando compaixão com o povo venezuelano, e também agradecemos por isso", afirmou.

"Nossos esforços não vão apenas continuar, eles serão aumentados. Nos dias e semanas que vem, os EUA vão continuar fornecendo remédio e comida àqueles que precisam. É tempo de fazer mais", afirmou.

Leia também: Prefeito foge da Venezuela pela mata e denuncia 25 mortes

O Grupo de Lima foi criado em 2017 com o objetivo de discutir o "restabelecimento da democracia na  Venezuela  ". Integram o grupo o Brasil, Colômbia e Guiana (os três países que fazem fronteira com o território venezuelano), além de Argentina, Peru, Chile, Paraguai, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Canadá e México.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.