Tamanho do texto

Ralph Northam admitiu que aparece na foto de cunho racista em seu anuário da faculdade, mas depois voltou atrás e negou; caso gerou crise no partido

Governador da Virgínia admitiu que aparece na foto, mas depois voltou atrás
Reprodução/Twitter
Governador da Virgínia admitiu que aparece na foto, mas depois voltou atrás

O governador do estado de Virgínia, nos Estados Unidos, Ralph Northam, envolveu-se em uma polêmica após ter uma foto de cunho racista do seu anuário da universidade divulgada pela mídia. Os Democratas pressionam Northam para que ele renuncie ao cargo, mas ele se recusa.

Leia também: Próximo encontro entre Trump e Kim Jong-Un deve acontecer na Ásia

A imagem divulgada pela mídia americana, tirada em 1984 para o anuário da Escola de Medicina do leste da Virgínia, onde o governador  estudava, mostra duas pessoas, uma vestida com os trajes do grupo supremacista branco, Ku Klux Klan, e a outra com o rosto pintado de preto, prática considerada racista, conhecida como "blackface". 

Embaixo da foto, há uma citação atribuída a Northam: "Há mais bêbados velhos que médicos velhos neste mundo, então acho que vou tomar outra cerveja". Na última sexta, o democrata admitiu ser uma das pessoas que aparece na foto. No entanto, no sábado, voltou atrás.

"Um site publicou uma foto minha de um álbum da escola de medicina, em 1984, em uma fantasia que, evidentemente, é racista e insultante", escreveu Northam, sem identificar quem seria ele na foto. 

No dia seguinte, em uma coletiva de imprensa na capital da Virgínia, ele pediu desculpas pela polêmica e negou que estivesse na foto. "Desde meu comunicado de ontem, refleti com minha família e meus ex-colegas de faculdade, e cheguei à conclusão de que não sou a pessoa na foto", disse. 

Leia também: Onda de frio deixa oito mortos na região meio-oeste dos Estados Unidos

O político revelou ainda que já fez blackface para se fantasiar de Michael Jackson para uma competição de dança na mesma época e que, "graças a um amigo negro", soube que era uma prática racista e diz que se arrependeu. "Sempre gostei do Michael Jackson. Venci a competição porque aprendi a fazer o moonwalk", completou. 

No sábado, Northam  publicou um vídeo em sua conta do Twitter em que pede desculpas. "Hoje cedo eu liberei uma declaração pedindo desculpas pelo comportamento no meu passado que cai muito aquém do padrão que você definiu para mim quando você me elegeu para ser seu governador. Eu acredito que você merece ouvir diretamente de mim", escreveu. 





O presidente Donald Trump, que é do partido Republicano, também se pronunciou sobre o assunto e classificou a atitude como "imperdoável". "O governador democrata Ralph Northam, da Virgínia, acabou de afirmar: 'Eu acredito que eu não sou qualquer uma das pessoas nessa foto.' Isto foi 24 horas depois de se desculpar por aparecer na foto. Imperdoável!", disse Trump.

Após a polêmica, a deputada democrata Karen Bass, líder da bancada negra no Congresso, afirmou à NBC que Northam foi "desonesto e pouco sincero", que o comportamento é "inaceitável" e mostra que ele não entende a seriedade de suas ações. Ela ainda disse que, durante a entrevista coletiva, ele tentou fazer o moonwalk mas foi impedido pela esposa. 

A Constituição da Virgínia permite o impeachment de governadores por "ofender a comunidade por malversação no cargo, corrupção, negligência do dever ou outro crime ou contravenção grave". Caso ele renuncie, quem assume é o vice-governador Justin Fairfax.

Negro, Fairfax também se pronunciou sobre a polêmica, mas evitou apoiar a saída do democrata. "Devemos tomar as decisões que melhor interessem ao povo", defendeu, em comunicado. 

Leia também: EUA e Talibã chegam a esboço de acordo de paz para cessar guerra no Afeganistão

A recusa do governador da Virgínia para renunciar criou uma crise para a oposição, que critica Trump frequentemente por  questões raciais e considera que os EUA não podem tolerar um presidente associado a símbolos de fanatismo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas