Tamanho do texto

Bloco reiterou apoio ao Parlamento e à interinidade de Juan Guaidó, mas clamou um pleito "livre e confiável de acordo com a ordem constitucional"

União Europeia reconheceu Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, mas pediu novas eleições
Reprodução
União Europeia reconheceu Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, mas pediu novas eleições

A União Europeia   defendeu  a realização na Venezuela de novas para restabelecer a democracia no país. Em comunicado oficial, o bloco apelou para que a população seja ouvida, e não ignorada e reiterou apoio ao Parlamento e à interinidade do presidente Juan Guaidó.

Leia também: Bolsonaro reconhece Juan Guaidó como presidente da Venezuela

“O povo da Venezuela exigiu maciçamente a democracia e a possibilidade de decidir livremente sobre seu próprio destino. Essas vozes não podem ser ignoradas”, diz o texto. “A UE faz um apelo urgente ao início imediato de um processo político que conduza a eleições livres e confiáveis, de acordo com a ordem constitucional.”

No comunicado, a União Europeia reiterou o apoio à interinidade de Guaidó e da Assembleia Nacional Constituinte. “Reconhecemos a Assembleia Nacional como a instituição democraticamente eleita cujos poderes devem ser restaurados e respeitados”, dizia a nota.

“Os direitos civis, a liberdade e a segurança de todos os membros da Assembleia Nacional, incluindo o seu presidente, Juan Guaidó, devem ser plenamente respeitados."

O bloco ainda lamentou a violência registrada nos protestos em Caracas e demais regiões da Venezuela. “A violência e o uso excessivo da força pelas forças de segurança são absolutamente inaceitáveis ​​e não resolverão a crise. O povo da Venezuela tem o direito de se manifestar pacificamente, escolher livremente seus líderes e decidir seu futuro.”

Leia também: Estátua de Chávez é incendiada durante protesto contra Maduro, na Venezuela

A UE colocou-se à disposição para colaborar com o processo de transição na Venezuela. “A União Europeia e os seus Estados-Membros continuam dispostos a apoiar o restabelecimento da democracia e do Estado de direito na Venezuela através de um processo político pacífico e credível, em conformidade com a Constituição venezuelana.”

Brasil também se posicionou sobre a Venezuela

O presidente Bolsonaro também se posicionou sobre a crise na Venezuela
Alan Santos / PR
O presidente Bolsonaro também se posicionou sobre a crise na Venezuela

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (23) que reconhece o líder do parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, como Presidente Encarregado da Venezuela . Principal opositor ao governo de Nicolás Maduro, Guaidó se autoproclamou presidente do país na tarde de hoje. O discurso se deu no meio dos protestos contra e a favor ao atual chefe de Estado.

“O Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem à Venezuela”, afirmou Bolsonaro . 

Além de Jair Bolsonaro , o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e outras autoridades mundias apoiaram a ação. "Os cidadãos da Venezuela sofreram por tempo demais nas mãos do regime ilegítimo de Maduro. Hoje, eu reconheci oficialmente o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela , Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela", escreveu Trump no Twitter.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.