Tamanho do texto

Ex-presidente cumprirá o restante da pena de 25 anos na prisão; condenado por crimes contra a humanidade, ele teve indulto de perdão anulado em 2018

Alberto Fujimori voltou à prisão após receber alta
AFP
Alberto Fujimori voltou à prisão após receber alta

O ex-presidente do Peru Alberto Fujimori, de 80 anos, cumprirá o restante da pena de 25 anos na prisão. Até então, ele estava internado em uma clínica para tratamento de saúde, mas retornou à penitenciária de Barbadillo, em Ate Vitarte, nos arredores da capital Lima.

Leia também: Governo do Peru proíbe a entrada de membros do governo Maduro no país

Fujimori retornou na noite desta quarta-feira (23) à penitenciária após a Clínica Japonesa Centenária do Peru conceder alta médica, depois de três meses de internação. Ele trata um câncer e reclama de dores. A transferência foi autorizada pela Câmara Criminal do Supremo Tribunal Federal.

Condenado, em 2009, a 25 anos de prisão por crimes contra humanidade e corrupção, por ter sido considerado mandante dos massacres de Barrios Altos (1991) e La Cantuta (1992), nos quais morreram 25 pessoas. O ex-presidente também foi declarado culpado pelos sequestros de um empresário e de um jornalista.

Fujimori teve indulto anulado

Ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski concedeu indulto a Fujimori
Reuters
Ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski concedeu indulto a Fujimori

Em dezembro de 2017, o então presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski , concedeu perdão humanitário a Alberto Fujimori. alegando ter recebido laudo médico indicando que o ex-ditador, que tinha 79 anos de idade, sofria de "doença progressiva, degenerativa e incurável".

Na época, críticos de Kuczynski acusaram o presidente de ter concedido o indulto de Natal em troca do apoio recebido por deputados fujimoristas na votação que rejeitou seu impeachment. O governo nega que tenha existido qualquer acordo nesse sentido. 

Leia também: Em meio a crise da Lava Jato, procurador-geral do Peru renuncia

Kuczynski era acusado de ter recebido US$ 782 mil em propina da construtora brasileira Odebrecht no período entre 2004 e 2007, quando ele era ministro da Economia. Eram necessários 87 votos no Congresso do Peru para decretar o impeachment do presidente, mas houve somente 79 votos nesse sentido.

Em outubro de 2018, no entando, o juiz Hugo Nuñez Julca, da Suprema Corte peruana, optou por anular o indulto ao ex-presidente, ordenando a localização e captura de Fujimori. Dias depois, ainda antes de se apresentar, o ex-ditador foi internado na Clínica Centenário Peruano-Japonesa, onde permaneceu até essa quarta-feira.

No mesmo dia da internação  o advogado do ex-presidente, Miguel Pérez, apresentou duas apelações na Suprema Corte, uma para impugnar a anulação do indulto e outra para pedir liberdade a Fujimori até a análise do primeiro recurso. O primeiro recurso ainda não foi julgado, enquanto o segundo foi rejeitado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.