Tamanho do texto

Em pronunciamento na televisão, Nicolás Maduro criticou Bolsonaro e disse que os cubanos que deixaram o Mais Médicos vão ajudar a Venezuela diante da crise de saúde enfrentada pelo país; ele também provocou Donald Trump

Nicolás Maduro confirmou que a Venezuela vai receber médicos cubanos
Divulgação/Twitter - @NicolasMaduro
Nicolás Maduro confirmou que a Venezuela vai receber médicos cubanos


Obrigados a deixar o Brasil com a saída de Cuba do programa Mais Médicos, os médicos cubanos vão atuar na Venezuela. É o que disse o presidente Nicolás Maduro nesta sexta-feira (18). De acordo com o chefe de estado, já existe um acordo com o país caribenho e cerca de 2 mil profissionais passaram a trabalhar em território venezuelano.

Leia também: Araújo faz reunião com opositores de Maduro para discutir crise na Venezuela

Na próxima semana, vamos ter um evento especial que celebra a chegada de 2 mil novos médicos cubanos de família que Cuba vai nos enviar. Eles estão vindo do Brasil”, disse o presidente da Venezuela.

Cuba decidiu retirar os profissionais do Brasil após as eleições. Contrária à política de Jair Bolsonaro, frequente crítico do sistema cubano, o país caribenho optou por deixar o programa Mais Médicos , criado durante o governo de Dilma Rousseff (PT).

Leia também: Bolsonaro pede Mercosul mais enxuto e Macri chama Maduro de ditador venezuelano

Após decisão, Bolsonaro chegou a declarar que os 11 mil cubanos que atuavam no Brasil eram submetidos a "trabalho escravo", já que ficavam longe de seus familiares e a maior parte do salário pago pelo governo brasileiro ia diretamente para Cuba e não para o profissional.

Na sua declaração sobre a vinda dos cubanos para a Venezuela, Maduro fez críticas a Bolsonaro e disse que o novo presidente implementa o fascismo no País.

“O fascismo brasileiro encerrou o projeto de saúde e os 2 mil médicos estão vindo para a Venezuela”, afirmou Maduro.

Além de médicos cubanos, Maduro pede encontro com Trump

Nicolás Maduro confirmou médicos cubanos na Venezuela e desafiou Trump
Divulgação
Nicolás Maduro confirmou médicos cubanos na Venezuela e desafiou Trump


No mesmo pronunciamento, o presidente venezuelano provocou Donald Trump e afirmou que no seu governo há pessoas com quem "se pode falar e negociar". Desafiando, Nicolás Maduro disse que "cedo ou tarde, os dois vão se encontrar" e não vê a hora para que isso aconteça.

Leia também: Parlamento venezuelano aprova acordo que anula todas as próximas ações de Maduro

"Sei que somos pessoas muito diferentes, presidente Trump. Somos países diferentes, mas estamos no mesmo hemisfério (...) e, cedo ou tarde, seremos obrigados a falar, a nos entender", disse.

Desconvidado para a posse de Jair Bolsonaro, Nicolás Maduro sabe que não terá o apoio do Brasil para uma complicada luta política que enfrentará junto a oposição. O Parlamento venezuelano já declarou que a presidência foi usurpada. Com a população enfrentando graves problemas de sanemaneto, emprego e saúde, o presidente espera que com os auxílios de médicos cubanos possa, ao menos, diminuir a crise no atendimento a necessitados.