Tamanho do texto

Ministro das Relações Exteriores recebe líderes da oposição venezuelana no Itamaraty; segundo mandato de Maduro não foi reconhecido pelo Brasil

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, promoveu encontro com líderes da oposição venezuelana
Flickr/ Ministério das Relações Exteriores
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, promoveu encontro com líderes da oposição venezuelana

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, faz reunião neste momento com líderes de oposição e intelectuais críticos ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, além de integrantes de países do Grupo de Lima e dos Estados Unidos. O encontro será seguido de almoço no próprio Itamaraty. 

Leia também: Bolsonaro pede Mercosul enxuto e Macri chama Maduro de ditador

Na pauta da reunião comandada por Ernesto Araújo estão alternativas para a crise política e econômica na Venezuela, o que tem causado desabastecimento, a crise migratória e as denúncias de violação de direitos humanos contra o governo Maduro. O ministro receberá o ex-prefeito de Caracas Antonio Ledezma, o ex-presidente da Assembleia Nacional (AN) Julio Borges, o membro do partido Vontade Popular (VP), Carlos Vecchio e ainda presidente do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), Miguel Ángel Martín. Os quatro vivem exilados.

A crise entre poderes na Venezuela ganhou novos capitulos nesta semana. O parlamento do país aprovou nesta terça-feira (15) um acordo, classificado como histórico pelos legisladores, em que é declarada “formalmente a usurpação da Presidência da República" por Nicolás Maduro. A moção estabelece ainda a anulação de “todos os supostos atos emanados do Poder Executivo".

Reeleito em maio, numa votação questionada pela oposição e por boa parte da comunidade internacional, Maduro assumiu o novo mandato no dia 10 de janeiro. A vitória do ditador não foi reconhecida pela União Europeia, pelos Estados Unidos e por vários países latino-americanos.

No dia 3 de janeiro, o chamado  Grupo de Lima, formado pelo Brasil e mais 13 países e criado para buscar uma saída para a crise venezuelana, também já tinha declarado que não há legitimidade no processo de reeleição do venezuelano.

Nesta quarta-feira (16), após reunião com o presidente Bolsonaro realizada em Brasília, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, também subiu o tom contra o governo venezuelano.

Segundo ele, os governos brasileiro e argentino não aceitam as eleições do país vizinho que ele classificou como "escárnio com a democracia". Na sequência Macri disse também que a comunidade internacional já percebeu que o líder venezuelano é um "ditador que quer se perpetuar no poder com eleições fictícias".

Leia também: Parlamento venezuelano aprova acordo que anula próximas ações de Maduro

O argentino afirmou ainda que os dois principais países da América do Sul reconhecem apenas a Assembleia Nacional da Venezuela - parlamento comandado pela oposição ao regime bolivariano - como única instituição legítima do país vizinho, "eleita democraticamente pelo povo venezuelano". 

"Compartilhamos a preocupação pelos venezuelanos. Reafirmamos nossa condenação à ditadura de Nicolás Maduro. Não aceitamos esse escárnio com a democracia, e menos ainda a tentativa de vitimização de quem na verdade é o algoz", discursou Macri em pronunciamento conjunto com Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Crítico ferrenho do governo Maduro e um dos líderes do Grupo de Lima, Ernesto Araújo  usou as redes sociais para celebrar o fato do presidente venezuelano não ter sido convidado por Bolsonaro para a posse. ", escreveu o chanceler brasileiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.