Tamanho do texto

Presidente da Assembleia Legislativa, Juan Guaidó luta para tirar o poder de Nicolás Maduro e assumir como presidente do país, com apoio do Brasil

População oposicionista protesta em frente ao Parlamento venezuelano
Reprodução/Twiiter
População oposicionista protesta em frente ao Parlamento venezuelano

O parlamento venezuelano aprovou nesta terça-feira (15) um acordo, classificado como histórico pelos parlamentares, em que é declarada “formalmente a usurpação da Presidência da República" por Nicolás Maduro. A moção estabelece ainda a anulação de “todos os supostos atos emanados do Poder Executivo".

Leia também: Presidente da Assembleia Nacional  da Venezuela é detido após peitar Maduro

A declaração do Parlamento venezuelano faz menção indireta ao governo do presidente Nicolás Maduro. O texto recomenda ainda um acordo internacional para ajuda humanitária no país. A crise na Venezuela se agravou nos últimos meses.

Juan Guaidó , um dos principais líderes da oposição, comanda o debate. A disposição é para discutir declaração para, em seguida, declará-lo presidente da República. O documento prevê a anistia para os militares que contribuírem “para a defesa" da Carta Magna da Venezuela.

Na sua conta no Twitter, Guaidó agradeceu ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que telefonou para ele prestando solidariedade pela prisão e, depois, libertação.


“Agradeço ao deputado Bolsonaro (Eduardo), que expressou seu compromisso com os venezuelanos de respaldar nossa luta pela democracia”, escreveu Guaidó.

Para o Brasil, o segundo mandato de Nicolás Maduro não é legítimo e a Assembleia Nacional Constituinte deve assumir o poder com a incumbência de promover novas eleições.

Leia também: MBL representa criminalmente contra Gleisi Hoffmann por viagem à posse de Maduro

“Finalmente há esperança de democracia na Venezuela. O Brasil, sob o comando do presidente Bolsonaro, está trabalhando incansavelmente para influenciar a dinâmica da região em favor da liberdade”, escreveu no seu Twitter o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Nicolás Maduro tomou posse para o seu segundo mandato no último dia 10, com a presença de apoiadores, entre eles a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann. No sábado (12), Guaidó foi preso e solto horas depois, após prestar depoimentos. A ação irritou boa parte do Parlamento venezuelano , dano ainda mais força para as intenções do deputado oposicionista.

*Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.