Tamanho do texto

Diplomatas brasileiros afirmaram que a Organização das Nações Unidas já foi notificada sobre a decisão; fim do acordo com Brasil já era esperado

Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já havia afirmado que o Brasil deixaria o pacto de migração
Flickr/ Ministério das Relações Exteriores
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já havia afirmado que o Brasil deixaria o pacto de migração

 O governo de Jair Bolsonaro confirmou nesta terça-feira (8) a saída do Brasil do Pacto Global para Migração da Organização das Nações Unidas (ONU). O pacto de migração foi assinado por mais de 160 países e inclui diretrizes sobre a gestão de fluxos migratórios.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo , diplomatas brasileiros confirmaram que a ONU já foi notificada sobre a decisão. O pacto de migração havia sido firmado pelo ex-presidente Michel Temer em dezembro passado, mas a retirada já era dada como certa após a posse de Bolsonaro.

No dia em que o acordo foi assinado, o então futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o Brasil deixaria o pacto globa l. Para o chanceler, o pacto é um instrumento "inadequado" para lidar com o problema e que a migração é bem-vinda, mas não deve ser "indiscriminada".

"Tem de haver critérios para garantir a segurança tanto dos migrantes quanto dos cidadãos no país de destino. A imigração deve estar a serviço dos interesses nacionais e da coesão de cada sociedade", escreveu. 

O chanceler de Bolsonaro disse ainda que o Brasil continuará acolhendo os venezuelanos, que chegam pela fronteira em Roraima em um grande fluxo migratório, mas que é fundamental "restaurar a democracia" do país. 

O "Global Compact for Migration", no entanto, não tem força de lei e não propõe medidas vinculantes para os países signatários, tratando-se mais de uma carta de intenções. Ainda assim, a retirada serve para alinhar o Brasil com outras nações governadas pela direita nacionalista, como Estados Unidos, Itália, Hungria, República Tcheca e Polônia.

O acordo é resultado da Declaração de Nova York sobre Refugiados e Migrantes , aprovada pela Assembleia-Geral da ONU em setembro de 2016 e que se compromete em desenvolver um pacto para migração segura, ordenada e dentro da lei.

O processo para o desenvolvimento do tratado começou em abril de 2017 e foi finalizado em julho de 2018. O texto lista 23 princípios, como minimizar os "fatores adversos e estruturais que obrigam as pessoas a abandonarem seu país de origem", "aumentar a disponibilidade e flexibilidade das vias de migração regular", "salvar vidas e empreender iniciativas internacionais coordenadas sobre migrantes desaparecidos" e "reforçar a resposta ao tráfico ilícito de migrantes".

Leia também: EUA suspendem apoio financeiro a refugiados palestinos e Israel comemora

Além disso, o pacto de migração defende "utilizar a detenção de migrantes apenas como último recurso e buscar outras alternativas", "proporcionar aos migrantes acesso a serviços básicos", "eliminar todas as formas de discriminação" e "colaborar para facilitar o regresso e readmissão em condições de segurança". 

* Com informações da Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas