Tamanho do texto

Aviões de bombardeio devem pertencer ao exército da Síria ou da Rússia; ação seria retaliação a ataques químicos que deixaram 107 feridos ontem

Bombardeio na Síria teria sido uma retaliação aos ataques químicos ocorridos no sábado (24)
Agência Sana/Governo da Síria
Bombardeio na Síria teria sido uma retaliação aos ataques químicos ocorridos no sábado (24)


Aviões de guerra bombardearam, neste domingo (25), vários pontos dos arredores de Aleppo, na Síria. O ataque aconteceu um dia depois de um suposto ataque químico, denunciado pela imprensa estatal do país, hospitalizar mais de 100 pessoas na região.

Leia também: União Europeia aprova saída do Reino Unido do bloco

De acordo com informações do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), os bombardeios ocorreram próximos a uma área desmilitarizada da Síria , negociada entre a Rússia e a Turquia. A ONG informou que os ataques atingiram o bairro de Al Rashidin, no subúrbio de Aleppo, e a cidade de Khan Tumam, no sudoeste.

O bombardeio aconteceu depois de o governo sírio denunciar grupos terroristas locais, alegando que eles teriam atacado três bairros residenciais da cidade de Aleppo com gás cloro. A ONG, no entanto, não disse se os aviões responsáveis pelo ataque pertencem ao Exército da Síria ou da Rússia.

Leia também: Manifestantes franceses arrancam asfalto da Champs-Élysées durante protesto

Esse é o primeiro ataque na área desmilitarizada desde setembro. Em nota oficial, a OSDH afirmou não saber se há vítimas do bombardeio.

Governo da Síria disse que ataque químico foi realizado por terroristas

107 pessoas precisaram de atendimento médico após ataque químico na Síria
Agência Sana/Governo da Síria
107 pessoas precisaram de atendimento médico após ataque químico na Síria


O bombardeio deste domingo (25) pode ter sido uma retaliação aos ataques químicos realizados ontem (24) na cidade de Aleppo que deixou 107 pessoas hospitalizadas. De acordo com  informações divulgadas pela agência do país, Sana, e pela imprensa estatal, o chefe do Departamento de Saúde de Aleppo, Ziad Hach, afirmou que os pacientes foram expostos a gás cloro.

Os tóxicos caíram nos bairros de Al Jaldiya, Rua do Nilo e Yamaiya al Zahraa de Aleppo. Entre os feridos pelo ataque, 31 permanecem internados até o momento, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos. O Ministério da Defesa da Rússia também confirmou o ocorrido.

Leia também: Áudio revela pedido de príncipe para embaixador "silenciar" jornalista saudita

 A agência do governo da Síria afirmou que o ataque foi realizado por terroristas, sem identificar a que grupo pertencem. A publicação também afirmou que o Exército do país disparou contra a fonte do ataque químico, causando "grandes perdas" entre os "terroristas".

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.