Tamanho do texto

Quase mil vítimas seguem desaparecidas, segundo as autoridades; cerca de 65% do Camp Fire e 88% do Woolsey Fire foram controlados, por enquanto

As autoridades acreditam que os incêndios da Califórnia não poderão ser contidos antes do dia 30 de novembro
Divulgação/Departamento de Saúde Pública da Califórnia
As autoridades acreditam que os incêndios da Califórnia não poderão ser contidos antes do dia 30 de novembro

Onze dias após o início do pior incêndio da história da Califórnia, nos Estados Unidos, o número de mortos chegou a 77 pessoas. Segundo o xerife do condado de Butte – o mais afetado pelo incêndio chamado Camp Fire – o número de desaparecidos caiu de 1.276 para 993. Porém, mais ao sul da Califórnia, um outro incêndio, o Woolsey Fire, deixou 3 mortos, totalizando em 80 o número de vítimas fatais decorrentes do fogo no estado. 

Leia também: Vídeo assustador mostra desespero de motorista para fugir de incêndio nos EUA

Os incêndios começaram no dia 8 de novembro e já devastaram cerca de 400 quilômetros quadrados, segundo levantamento do Departamento de Proteção Florestal e de Incêndios da Califórnia . A maior parte das vítimas é do condado de Butte, no norte do estado, que destruiu Paradise, uma cidade de quase 27 mil habitantes. 

Quase 60 mil hectares foram destruídos pelo Camp Fire , que já foi 65% contido pelos bombeiros. Além disso, um número de 12.263 estruturas estão ameaçadas e 9.700 prédios foram destruídos pelo fogo. Patologistas da Universidade de Nevada trabalharam durante o final de semana enquanto bombeiros removiam destroços, para ajudar na identificação das vítimas. 

Mais ao sul da Califórnia, o Woolsey Fire destruiu 500 construções e uma área de 388 quilômetros quadrados. Porém, nesse caso, cerca de 88% do incêndio já foi controlado. As chamas ameaçam mais de 50 mil estruturas e destruíram um total de 836 edifícios. 

Neste sábado, o presidente americano, Donald Trump, visitou o estado e se reuniu com equipes de resgate, bombeiros e com o governador, Jerry Brown. Ele esteve em Paradise e em Malibu, ambas atingidas pelo incêndio, e, durante a visita, culpou a má gestão das florestas pelo ocorrido. "Nunca vimos algo assim na Califórnia", disse. 

Leia também: Califórnia encara incêndio mais destrutivo da história; Trump culpa "má gestão"

Segundo o xerife Honea, a lista de desaparecidos é dinâmica e flutua a cada dia, mas isso não significa que todos estejam mortos. Há também aqueles que fugiram dos incêndios e ainda não sabem que foram dados como desaparecidos, mas que podem estar seguros. 

Existe a possibilidade de uma grande tempestade atingir o local a partir desta terça-feira (20). Mas, mesmo assim, as autoridades não acreditam que conseguirão conter todo o fogo antes do dia 30 de novembro. A chuva também tornaria mais difícil para as equipes forenses vasculharem o local em busca de restos mortais ou de desaparecidos. 

Leia também: Tiroteio em bar na Califórnia deixa pelo menos 12 pessoas mortas

O Distrito de Gestão de Qualidade do Ar da região classificou a situação dos incêndios na Califórnia como "muito ruim para a saúde" e, frente a isso, recomenda aos moradores que evitem sair às ruas ou que usem máscaras de proteção. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.