Tamanho do texto

Segundo publicação do The New York Times, os pacotes-bomba vieram de um mesmo escritório de correio, localizado em uma cidade no sul da Flórida

Todos os pacotes-bomba nos Estados Unidos tinham o mesmo remetente fictício e as mesmas características físicas
Reprodução/FBI
Todos os pacotes-bomba nos Estados Unidos tinham o mesmo remetente fictício e as mesmas características físicas

A imprensa norte-americana informou, nesta quinta-feira (25), que os pacotes-bomba enviados a vários endereços nos Estados Unidos vieram de um mesmo local: um escritório dos correio em Opalocka, no sul da Flórida. As informações sobre os pacotes-bomba nos Estados Unidos foram reveladas por fontes ao jornal The New York Times

Leia também: Mais um pacote suspeito é interceptado nos EUA; este era dirigido a Joe Biden

O conteúdo explosivo foi enviado a 10 pessoas ligadas ao partido Democrata, contrário a Donald Trump, desde a última segunda-feira (22). O FBI confirmou que todos os pacotes-bomba nos Estados Unidos tinham como endereço de retorno a congressista democrata Debbie Wasserman Schultz.  

Em nota, o FBI disse que os pacotes tinham potencial destrutivo, mas não informou o conteúdo. Nenhum deles chegou a explodir. Todos tinham as mesmas características: envelope amarelo, seis selos com a bandeira americana e o endereço de remetente de Schultz.

Segundo o canal CBS , as autoridades estão investigando pistas que levam à Flórida como mesmo local de envio, mas também estão buscando outros pacotes suspeitos que coincidam com os enviados nas instalações dos correios.

Leia também: FBI intercepta explosivos enviados a Hillary Clinton, Obama e outros democratas

Eles também investigam se os pacotes foram enviados por uma ou por várias pessoas.  Antes, as autoridades acreditavam que alguns poderiam ter sido enviados em mãos ou por mensageiros, mas foi confirmado que todos foram enviados por serviço postal. 

Na manhã desta quinta, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, foi questionado se os pacotes realmente poderiam explodir. "São bombas capazes de detonar. Isso foi o estabelecido. Elas não detonaram", respondeu.

Segundo as investigações, todos foram enviados a pessoas que já criticaram o governo de Trump , mal vistas por críticos de direita ou ligadas à oposição, o partido Democrata. Até o momento, os pacotes foram enviados para as seguintes pessoas:

1. Joe Biden, ex-vice-presidente no governo Barack Obama – foram dois pacotes enviados em seu nome;

2. Robert de Niro, ator e produtor;

3. Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos pelo Partido Democrata;

4. Hillary Clinton, ex-secretária de estado e adversária de Trump na última eleição;

5. John Brennan, ex-diretor da CIA – seu pacote foi enviado a CNN  ;

6.  Eric Holder, ex-secretário de Justiça norte-americano;

7. Maxine Waters, deputada do Partido Democrata – foram dois pacotes enviados em seu nome na California;

8. George Soros, investidor;

9. James Clapper, diretor de inteligência nacional – pacote também enviado a CNN ; e

10. Cory Booker, senador pelo Partido Democrata.

Leia também: FBI encontra 8º pacote suspeito de bomba e Trump culpa a mídia por violência

John Brennan, ex-diretor da CIA, George Soros, investidor do partido, e a deputada Walters costumam fazer críticas ao governo Trump. Durante a campanha eleitoral de 2016, De Niro, que também recebeu um dos pacotes-bomba nos Estados Unidos , afirmou que o atual presidente era "descaradamente estúpido", "completamente louco" e "idiota". 

    Leia tudo sobre: Donald Trump