Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump afirmou que tinha sanções de US$ 267 bilhões prontas para serem efetivadas
Twitter/Donald Trump
Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump afirmou que tinha sanções de US$ 267 bilhões prontas para serem efetivadas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na noite desta segunda-feira (17) novas tarifas de 10% sobre US$200 bilhões em produtos chineses. De acordo com uma nota da Casa Branca, a partir de 1º de janeiro, as taxas serão aumentadas para 25%.

Além disso, o governo de Donald Trump afirmou que, se a China anunciar medidas de retaliação , os Estados Unidos irá impor tarifas adicionais de US$267 bilhões. Produtos eletrônicos, alimentos, pneus, móveis, artigos químicos, plásticos, bicicletas e assentos para crianças seriam alguns dos produtos atingidos pela nova onda de taxas.

Na última sexta-feira (14), a porta-voz da Casa Branca , Lindsay Walters, disse que Trump já "deixou claro que ele e seu governo continuariam a tomar medidas para retaliar as práticas de comércio injustas dos chineses". "Nós aconselhamos a China a resolver questões que há muito tempo preocupam os Estados Unidos", advertiu Walters.

Trump exige que a China tome providências para reduzir o saldo negativo norte-americano na balança comercial com o país asiático, que é de cerca de US$ 375 bilhões, além de pedir a suspensão de políticas comerciais direcionadas à aquisição de tecnologias e propriedade intelectual norte-americanas e a eliminação de subsídios ao setor de alta tecnologia.

O ministro das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, afirmou que Pequim "tomará as medidas necessárias" caso as novas taxas entrem em vigor. "As negociações devem ter base paritária", disse Shuang.

Leia também: Desaprovação de Trump chega a 60%, aponta pesquisa

Você viu?

Em agosto, os Estados Unidos já haviam imposto tarifas de US$ 50 bilhões aos produtos chineses, medida que foi respondida com taxas no mesmo valor pelo país asiático. Um mês depois, Trump afirmou que tinha sanções de US$ 267 bilhões prontas para serem efetivadas caso Pequim não adotasse as medidas demandadas por Washington.

Se todas as ameaças do presidente norte-americano forem concretizadas, as soma de importações chinesas taxadas chegará a US$ 505 milhões.

As bolsas de valores pelo mundo reagiram mal às especulações. Xangai fechou o dia com queda de 1,11%, resultado que também teve influência da passagem do tufão Mangkhut pelo sul chinês.

Leia também: Trump assina ordem contra interferência estrangeira nas eleições dos EUA

Na Coreia do Sul, o índice Kospi caiu 0,7% e o Hang Seng, de Hong Kong, teve queda de 1,3%. As bolsas da Alemanha e do Reino Unido também sofreram com a decisão de Donald Trump e operam em queda de 0,3% enquanto, nos Estados Unidos, o Dow Jones cai 0,05%.

* Com informações da Ansa

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários