Tamanho do texto

Responsável pelo ataque continua sendo mistério, mas possibilidade de Kremlin estar envolvido não é descartada; premiê ameaça boicote à Copa do Mundo, que acontece na Rússia; Skripal e a filha continuam internados

Caso do ex-espião internado na Inglaterra lembra o de Litvinenko, cuja morte por envenenamento foi atribuída à Rússia
Reprodução/Daily Mail
Caso do ex-espião internado na Inglaterra lembra o de Litvinenko, cuja morte por envenenamento foi atribuída à Rússia

A polícia britânica afirmou nesta quarta-feira (7) que o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha, Yulia, foram envenenados com um agente químico em uma tentativa de homicídio. O mistério em torno do caso aumenta, mas o porta-voz do núcleo antiterrorismo Scotland Yard diz não poder dar mais detalhes “no momento”. 

Leia também: Ex-espião russo é internado na Inglaterra após "contato com substância tóxica"

Ainda segundo a polícia antiterrorismo de Londres, Skripal era um alvo direcionado, por isso o ataque significa um “risco modesto” para a população em geral. Tanto o ex-espião russo quanto a filha continuam internados em estado crítico. Os dois foram envenenados em um shopping de Salisbury, na segunda-feira (5), desse modo, bares e restaurantes continuam fechados no local.

De acordo com jornais britânicos, a Rússia seria a responsável pelo ataque contra Skripal – em um caso semelhante ao também ex-espião Alexander Litvinenko, morto por envenenamento em 2006. Com a possibilidade de o governo russo estar por trás da tentativa de assassinato, a primeira-ministra britânica Theresa May ameaça boicotar a Copa do Mundo 2018, caso seja comprovada a participação do Kremlin .

Leia também: EUA acusam Coreia do Norte de assassinar irmão de Kim Jong-un com agente químico

O russo é um ex-coronel condenado a 13 anos de prisão em 2006 na Rússia "por repassar informações secretas às autoridades britânicas". Em sua sentença, o ex-militar foi apontado como grande responsável por transmitir ao governo britânico, desde a década de 1990, as identidades de espiões que trabalhavam secretamente na Europa, informações que chegavam ao serviço secreto MI-6. Na época, o governo russo expôs que Skripal ganhava US$ 100 mil para realizar os vazamentos.

Caso anterior

A repercussão do caso ainda misterioso do ex-espião russo trouxe à tona o envenenamento de outro espião russo, envenenado em novembro de 2006.  Alexander Litvinenko era um ex-oficial da agência de espionagem do FSB e morreu após beber uma xícara de chá com polônio radioativo. Ele teria encontrado seus assassinos em um bar no piso térreo do hotel Millennium, em Mayfair, no centro de Londres.   

Leia também: Kim Jong-un marca encontro histórico com o líder da Coreia do Sul em abril

*Com informações da Agência Ansa