undefined
Reprodução
Apesar de confrontos, observatório afirma que Síria teve a noite mais tranquila dos últimos dias

Ao menos três civis morreram e outros 26 ficaram feridos na Síria neste domingo (25), de acordo com a agênda de notícias  EFE . Bombardeios e ataques foram realizados na região de Ghouta Oriental, reduto da oposição na região de Damasco. Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, um ataque das forças do regime em Hamuriya, deixou uma mulher morte e feriu sete civis.

Leia também: Maior traficante de armas dos EUA para o Brasil é preso em Miami

Ainda de acordo com o observatório, em Beit Saua, um homem morreu e outros sete ficaram feridos na Síria após um ataque aéreo. Em Sabqa, uma pessoa morreu e dez ficaram feridas, e em Kafr Batna, outras duas ficaram feridas. A organização também destacou que as regiões de Hush al Dawahra e Al Shifunia foram alvo de explosivos lançados por helicópteros do regime de Bashar al-Assad.

Leia também: Menor que teria emprestado arma para criança vítima de tiro é apreendido no Rio

Apesar dos combaters entre as forças governamentais e o grupo islamita Exército do Islã, o observatório afirmou que a noite de sábado (24) foi a mais tranquila desde o início da escalada militar em Ghouta, há uma semana, já que não houve registro de mortes. Os combates ocorreram em Al Shifunia, com armas pesadas e metralhadoras, e foram os primeiros na região desde o último domingo (18).

Os confrontos ocorreram pouco tempo tempos do Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovar um acordo de 30 dias de cessar-fogo na região. A resolução foi estabelecida após o país registrar 500 civis mortos, principalmente, em Ghouta. A previsão inicial era que ficassem isentas somente as ações contra Estado Islâmico, Al-Qaeda, al Nusra e outros "grupos, indivíduos e entidades" filiadas ao terrorismo.

"Não é guerra, é massacre"

Na segunda-feira (19), cinco hospitais foram bombardeados pelas forças pró-governo. "Estamos diante do massacre do século 21", disse um médico no leste de Ghouta ao jornal The Guardian .

E acrescenta: "Pouco tempo atrás, uma criança veio a mim com a pele azulada, respirando muito mal, a boca cheia de areia. Esvaziei-a com as minhas mãos. Não encontraremos respostas sobre o que fazer com isso em nenhum livro médico. Uma criança ferida respirando com pulmões cheios de areia".

Leia também: Duplo ataque com carros-bomba mata ao menos 40 pessoas na Somália

Em 2013, a região de Ghouta foi atingida por um ataque químico com gás sarin, que deixou mais de 1,3 mil mortos, de acordo com profissionais de saúde da região. O uso desse tipo de arma é visto como um crime de guerra por organismos de controle de direitos humanos. Na época, o regime da Síria também usou aviões de combate e bombardeio de artilharia contra a população local.

    Veja Também

      Mostrar mais