Tamanho do texto

Foram registrados 200 milímetros de chuva em apenas 24 horas, segundo o Ministério da Defesa Civil, fazendo com que rios transbordassem rápido

Após diversas inundações, autoridades declararam estado de emergência em várias partes da Nova Zelândia neste sábado (22). De acordo com informações da agência EFE, Exército e Defesa Civil já se uniram para ajudar as vítimas.

Leia também: Novo presidente eleito da Índia é membro da casta mais baixa do país

Imagem compartilhada no Twitter mostra ruas de Christchurch, na Nova Zelândia, tomada pela água das fortes chuvas
Twitter/Finn Jackson/Reprodução
Imagem compartilhada no Twitter mostra ruas de Christchurch, na Nova Zelândia, tomada pela água das fortes chuvas

As inundações mais críticas na Nova Zelândia atingem a região sul, de Christchurch, Dunedin, Selwyn e Otago. No local foram registrados 200 milímetros de chuva em apenas 24 horas, segundo o Ministério da Defesa Civil – para efeito de comparação, em abril, a cidade de São Paulo bateu recorde de chuva para o mês com 82,1 milímetros em 24 horas. A quantidade foi suficiente para causar grandes estragos na capital paulista.

Leia também: Porta-voz de Donald Trump pede demissão após seis meses no cargo

O primeiro-ministro do país da Oceania, Bill English, pediu que os desabrigados sigam as instruções das autoridades e ajudem seus vizinhos. Nas áreas mais perigosas, como Outram e Canterbury, moradores precisaram ser retirados de suas casas por conta do rápido aumento dos níveis dos rios.

Moradores começaram a relatar a situação no Twitter e compartilhar vídeos das inundações. Em post do jornalista Edward O’Driscoll, morador de Wellington, é possível conferir um vídeo que mostra um dos rios da região tomando conta da rua com muita força, sem condição de qualquer pessoa conseguir se segurar em algum lugar.

Leia também: Sucesso de Game of Thrones provoca onda de estudos sobre a Idade Média

O usuário Finn Jackson também compartilhou uma foto de ruas de Christchurch que mais parecem rios. Autoridades afirmaram ao site “The Guardian” que as inundações vão levar algum tempo para baixar, já que o país enfrenta uma situação de chuva classificada como severa.