Tamanho do texto

Tropas iraquianas responsabilizaram o grupo terrorista pelo ataque realizado nesta quarta; Estado Islâmico nega e culpa Coalizão Internacional

Agentes iraquianos expressaram esperança de que a mesquita pudesse ser capturada esta semana para festival
Reprodução/Twitter
Agentes iraquianos expressaram esperança de que a mesquita pudesse ser capturada esta semana para festival

Uma mesquita importante da cidade de Mosul, no Iraque, foi bombardeada nesta quarta-feira (21), sendo totalmente destruída. Até o momento, o Exército do país responsabilizou o Estado Islâmico de ter realizado o ataque, enquanto o grupo terrorista afirma que foram as frotas norte-americanas que bombardearam o local.

Leia também: “O pior ainda está por vir na Europa”, afirma especialista em terrorismo

Depois do bombardeio realizado contra al-Nuri, as tropas iraquianas foram os primeiros a comentarem, apontando a culpa para o grupo terrorista. “Nossas forças estavam avançando em direção aos alvos no interior da ‘Cidade Antiga’, e quando chegaram a uns 50 metros da mesquita, o Daesh (como é chamado o EI nos países árabes) cometeu outro crime histórico, explodindo a mesquita ”, afirmou o comandante responsável pela ofensiva a Mosul, o comandante Abdul Amir Yarallah, em um comunicado oficial.

Pouco tempo depois, contudo, o grupo extremista islâmico declarou, por meio de sua revista eletrônica, a “Amaq”, que um avião dos Estados Unidos, pertencente à coalizão com as tropas iraquianas, tinha sido o verdadeiro responsável pelo ataque.

A batalha por Mosul

A cidade de Mosul vive um período histórico tenso, tendo sido tomada pelo EI e, dessa maneira, seguindo as regras estritas. Desde outubro de 2016, as forças iraquianas tentam retomar a cidade com a ajuda da Coalizão Internacional, que é constituída por países ocidentais, entre eles os Estados Unidos.  

Leia também: Príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II, é internado em Londres

Na semana passada, agentes iraquianos expressaram esperança de que a mesquita pudesse ser capturada no início desta semana para o “Eid al-Fitr”, o festival que marca o fim do mês muçulmano de jejum do Ramadã .

Tal conquista em Mosul marcaria, de fato, o fim do chamado "califado", apesar de o Estado Islâmico continuar a controlar o território a oeste e ao sul da cidade.

Leia também: Idosos sobrevivem a incêndio após se esconderem em caixa d'água em Portugal

A mesquita de al-Nuri ficou famosa internacionalmente em 2014, quando o líder do Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi fez uma aparição rara no espaço, conclamando a criação do seu califado. Atualmente, ele deixou combates em Mosul e acredita-se que esteja escondido na fronteira entre o Iraque e a Síria, de acordo com fontes militares dos EUA e do Iraque.

 *Com informações da ANSA

    Leia tudo sobre: Estado Islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.