Tamanho do texto

Jogo de palavras usado afirma que a prefeita está em apuros, mas também insinua, por uma expressão italiana, que ela já teria passado por muitas mãos

Prefeita de Roma, Virginia Raggi foi assunto na Itália, nesta sexta-feira (10), devido a um caso de machismo contra ela
Facebook/ Virginia Raggi
Prefeita de Roma, Virginia Raggi foi assunto na Itália, nesta sexta-feira (10), devido a um caso de machismo contra ela

Após sete meses no cargo e cercada de escândalos relacionados a seus assessores, a prefeita de Roma, Virginia Raggi, foi assunto na Itália, nesta sexta-feira (10), devido a um caso de machismo contra ela.

LEIA MAIS: Empresa demite estagiário após comentários sexistas nas redes sociais

A polêmica começou quando o jornal "Libero", da Itália , publicou uma matéria cuja manchete era "Patata Bollente" ("Batata Quente", em tradução livre) sobre "a vida agridoce de Raggi".
Em italiano, a expressão significa ter um problema nas mãos que precisa ser passado para outra pessoa. No entanto, a palavra "patata" também serve para designar o órgão sexual feminino.

Sendo assim, o jogo de palavras feito na manchete afirma que a prefeita está em apuros, mas também insinua que ela já teria passado por muitas mãos. A "brincadeira", vista como de mal gosto por dezenas de políticos e pelos italianos em geral, também remete aos boatos de que Raggi teria tido um caso com seu ex-chefe de gabinete Salvatore Romeo.

Os rumores ficaram mais fortes quando foi descoberto que a prefeita é beneficiária de duas apólices de seguro de vida em nome do político. Romeo renunciou ao cargo devido a pressões do seu partido, o Movimento 5 Estrelas (M5S), que o acusava de excluir outros membros da legenda das decisões da prefeitura de Roma e de restringir o acesso a Raggi a um íntimo círculo de aliados.

LEIA MAIS: Parlamento sul-africano vive tensão após troca de socos e chutes entre políticos

Além disso, no começo desta semana, a italiana também passou a ser investigada por ter assinado uma deliberação que determinou a promoção de Romeo e triplicou o salário dele.
Algumas horas depois do episódio, Raggi comentou sobre o assunto no seu Facebook. "Há um pensamento velho que ofende não apenas a mim, mas tantas mulheres e homens. Quero revelar um segredo a estes intelectuais: um prefeito também pode ser uma mulher!".

"Agradeço a todos, mulheres e homens, que hoje manifestaram a sua solidariedade a mim. Ah, já estava esquecendo. Quando pedirei o ressarcimento por difamação, obviamente eu farei isso, juntarei ao valor 1,50 euro [cerca de R$ 5] que gastei para comprar pela primeira e última vez este jornal", concluiu a prefeita.

Repercussão

Um dos primeiros a condenar a manchete foi o líder do M5S, Beppe Grillo, que na semana passada declarou publicamente seu apoio à prefeita. "Libero, aqui está a informação italiana!", comentou ironicamente o comediante no Twitter, incentivando seus seguidores a mandarem mensagens de protesto ao jornalista responsável pelo artigo e ao diretor da publicação.

"Não sei se isso é machismo ou simplesmente idiotice, mas de qualquer maneira me enoja. Minha solidariedade a Virginia Raggi. A imprensa superou todos os limites", disse o vice-presidente da Câmara dos Deputados da Itália, Luigi Di Maio, também do M5S.

LEIA MAIS: Peru oferece US$ 30 mil a quem ajudar na captura de ex-presidente foragido

A presidente da Casa, Laura Boldrini, também defendeu a prefeita romana, chamando o "Libero" de "jornalismo lixo". Por outro lado, o diretor da publicação, Vittorio Feltri, disse que o título não tinha um duplo sentido e que já havia sido usado para relatar as noitadas do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi com a marroquina Karima El Mahroug, a Ruby, sem nenhuma reclamação.

"Em 2011 foi feito o mesmo título para Ruby e ninguém disse nada. Se fazemos isso com Raggi não pode? Por quê? Dois pesos e duas medidas, que diferença há entre Raggi e Ruby? Não são duas pessoas dignas de respeito? [...] O duplo sentido, eventualmente, é dado por quem lê e não por quem escreve", afirmou o diretor da publicação na Itália.

* Com informações da Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.