Tamanho do texto

Charge representa o presidente dos Estados Unidos correndo de policiais armados e afirma que o democrata é "de novo um cidadão comum"

Capa do jornal satírico Charlie Hebdo faz alusão aos casos envolvendo mortes de negros por policiais norte-americanos
Divulgação
Capa do jornal satírico Charlie Hebdo faz alusão aos casos envolvendo mortes de negros por policiais norte-americanos

A troca de comando na Casa Branca foi ironizada pelo jornal francês Charlie Hebdo, conhecido por fazer sátiras sobre temas polêmicos. A edição do periódico veiculada nesta quarta-feira (9) mostra uma charge que representa o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, correndo de policiais, que disparam contra ele. A capa traz a frase: “Obama, de novo um cidadão comum”.

LEIA MAIS:  "Serei presidente de todos os americanos", diz Trump em discurso de vitória

Além de satirizar a derrota da candidata governista, Hillary Clinton, do Partido Democrata, o jornal também ironiza os recentes casos envolvendo assassinatos de negros pela polícia norte-americana.

Barack Obama foi eleito presidente dos Estados Unidos em 2008 e reeleito em 2012. Na eleição deste ano, sua correligionária Hillary Clinton foi derrotada para o republicano Donald Trump, que recebeu votos de 279 delegados – eram necessários 270. Hillary teve 228 votos. O resultado foi confirmado na manhã desta quarta-feira.

A vitória do magnata Donald Trump foi considerada como surpreendente, já que diversos institutos de pesquisa apontavam que a democrata seria a próxima presidente dos Estados Unidos .

Tensão racial

O país norte-americano passa por tensão racial devido a diversos casos de negros que foram mortos pela polícia. Um dos últimos casos de destaque ocorreu em setembro, quando Keith Scott, 42 anos, foi morto a tiros por agentes públicos dentro do carro e sem oferecer resistência. Segundo a esposa dele, o rapaz não estava armado. O policial que disparou contra ele foi afastado.

LEIA MAIS:  O discurso da menina que chamou a atenção para a tensão racial nos EUA

Após o assassinato, manifestantes foram às ruas de Charlotte para protestar contra a violência policial contra a população negra. O ato terminou em confusão e, segundo a imprensa local, cerca de 12 oficiais ficaram feridos. Um deles teria sido atingido no rosto por uma pedrada.

Outro caso que gerou repercussão internacional foi o assassinato de Philando Castile, 32 anos, que morreu em julho após ser alvejado durante uma blitz. A situação foi transmitida em tempo real pela namorada dele em um vídeo publicado no Facebook.

Atentados

Em janeiro de 2015, a sede do Charlie Hebdo , em Paris, foi alvo de ataque terrorista depois de publicar caricatura do profeta Maomé. O atentado deixou 12 pessoas mortas e 11 feridas. O crime gerou comoção mundial e, em solidariedade, internautas lançaram a campanha “Je Suis Charlie”, que em português significa “Eu Sou Charlie”.

LEIA MAIS:  Um ano após ataque, Charlie Hebdo lança edição especial

Além de satirizar a religião muçulmana, o jornal também já fez piadas envolvendo a Igreja Católica, Jesus Cristo e políticos.

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.