Mineração em terras protegidas
Anna Beatriz Anjos, Bruno Fonseca
Mineração em terras protegidas


Dados inéditos do MapBiomas Mineração mostra que houve um crescimento de 301% na exploração mineral em áreas protegidas, de conservação, de 2010 a 2020. Em territórios indígenas protegidos, a situação é ainda pior, com um crescimento de 495%.

Segundo o levantamento, cerca de 40% da área de garimpo em 2020 estava dentro de unidades de conservação, e 9%, em terras indígenas protegidas.

A região mais atingida pelo crescimento ilegal do garimpo foi a Amazônia, que tem apresentado, anualmente, aumentos de desmatamento. O bioma concentra 72% da área minerada do país.

Você viu?

"O que nos saltou aos olhos foi a expansão da área minerada”, diz Pedro Walfir, professor da UFPA (Universidade Federal do Pará) e coordenador do mapeamento de mineração no MapBiomas. “E quando cruzamos essa informação com terras indígenas e unidades de conservação, ficamos surpresos com a quantidade de área minerada em áreas proibidas.”

Segundo o pesquisador a situação pode ter ficado ainda pior nos últimos 4 anos, com o aumento do preço do ouro, que, em 2020, teve valorização de 56%.

Um elemento que pode ter contribuido para a piora da situação foi o sucateamento de estruturas de fiscalização. “O Brasil não tem hoje uma estrutura governamental capaz de fiscalizar o território a ponto de impedir a expansão da mineração”, afirma o pesquisador.

Os dados da MapBiomas foram feitos com uso de milhares imagens de satélite e inteligência artificial, capazes de distinguir a mineração industrial do garimpo. 

- Com informações do jornal Folha de S. Paulo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários