Cidades como Paris, com suas ruas lotadas e alto consumo de energia, são focos de doenças e enfermidades relacionadas à poluição do ar
Gonzalo Fuentes/Reprodução
Cidades como Paris, com suas ruas lotadas e alto consumo de energia, são focos de doenças e enfermidades relacionadas à poluição do ar


Limitar a poluição do ar aos níveis recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) poderia prevenir mais de 50 mil mortes na Europa anualmente. Esse é resultado de uma nova pesquisa, divulgada nesta quarta-feira, publicada no jornal científico Lancet Planetary Health, (20).

A OMS estima que a poluição do ar mata mais de 7 milhões de pessoas a cada ano e é uma das principais causas de doença e afastamento do trabalho em todo o mundo. As cidades, com suas ruas lotadas e alto uso de energia, são focos de doenças e enfermidades relacionadas à poluição do ar.

A OMS recomenda que o material particulado fino não exceda 10 microgramas por metro cúbico de ar, em média anual. Para dióxido de nitrogênio (NO2), o limite a não ser excedido é 40 microgramas por metro cúbico de ar.

O estudo estimou a carga de morte prematura devido a esses dois poluentes em quase mil cidades em toda a Europa. Quase 125.000 óbitos por ano poderiam ser evitados se os níveis de poluição do ar fossem reduzidos ao mais baixo já registrado.

"A pesquisa prova que muitas cidades ainda não estão fazendo o suficiente para combater a poluição do ar . Níveis acima das diretrizes da OMS estão levando a mortes desnecessárias", disse Mark Nieuwenhuijsen, do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal), na Espanha.

Você viu?

Usando dados específicos da cidade em modelos de poluição do ar combinados com números de mortalidade, os pesquisadores formaram uma "pontuação da carga de mortalidade", classificando cidades individuais da melhor à pior .

As mortes devido à poluição do ar variaram amplamente, com os níveis de NO2 em Madrid, por exemplo, responsáveis ​​por 7% das mortes anuais lá. As cidades da região do Vale do Pó no norte da Itália, Polônia e República Tcheca foram as mais altas em carga de mortalidade, com as cidades italianas de Brescia, Bérgamo e Vicenza todas entre as cinco primeiras para as concentrações de material particulado fino.

Aqueles com a carga de mortalidade mais baixa incluíram Tromso na Noruega, Umea, na Suécia e Oulu, na Finlândia, bem como a capital islandesa, Reykjavik.

Sasha Khomenko, co-autora do estudo, disse que era importante implementar medidas locais de redução de emissões à luz da alta variabilidade na mortalidade associada ao ar pobre. "Precisamos de uma mudança urgente do tráfego motorizado privado para o transporte público e ativo (e) uma redução das emissões da indústria, aeroportos e portos."

Khomenko também afirmou que a proibição da queima doméstica de lenha e carvão ajudaria em cidades altamente poluídas na Europa Central, e alertou para que houvesse mais árvores e espaços verdes nas áreas urbanas.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários