Rio tem 25 mil alunos que não voltaram às escolas ou entregaram as atividades
Reprodução
Rio tem 25 mil alunos que não voltaram às escolas ou entregaram as atividades

O secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, apontou que a  rede municipal de ensino do Rio conta com 25 mil alunos que ainda não voltaram às aulas presenciais, e nem entregaram as atividades de maneira remota. A pasta realiza a busca ativa desse grupo para evitar uma evasão escolar ainda maior, e implementou programas de reforço para recuperar o ensino de quem não conseguiu acompanhar as aulas. Nesta segunda-feira (19), a rede municipal do Rio deu fim aos rodízios de turmas, e as aulas voltaram a ser 100% presenciais.

A rede municipal de ensino do Rio conta com 644 mil estudantes. A taxa dos que não participaram das aulas durante a pandemia - remota ou presencialmente - é de quase 4%. Para o secretário Ferreirinha, o número corrobora com a necessidade "urgente" da volta às aulas presenciais.

"Nesse momento todos podem ir à escola. Nós temos uma taxa de escolha de ir para a escola altíssima, mas também temos uma estatística que mostra a urgência do retorno: 25 mil alunos não foram presencialmente nas escolas e não entregaram as atividades de maneira remota. Aqui eu faço um apelo às famílias, aos pais. Obviamente, se a criança tiver comorbidade, não puder ir presencialmente, a opção remota continuará. Mas já passou da hora de retornar", afirmou o secretário.

Aulas de reforço tentam preencher lacuna educacional criada pela pandemia

Desde agosto, a Secretaria Municipal de Educação implementou um programa de reforço escolar permanente para os alunos da rede. Os conteúdos, dados por professores municipais, tentam solucionar os problemas de aprendizagem criados durante a pandemia, quando boa parte dos alunos ficou um ano letivo inteiro sem aulas regulares. O ensino remoto e online, elaborado na gestão passada da prefeitura, apresentou falhas desde o início da pandemia.

"Uma das grandes das consequências da pandemia é a tragédia silenciosa da Educação. Vemos uma defasagem de aprendizado. Desde o começo do ano começamos a avaliar os alunos bimestralmente, para entender quais são as lacunas de conhecimento nas matérias. Criamos um reforço escolar, que é o Reforço Rio, para identificar as principais dificuldades do alunos. Reforços e aula presencial todos os dias nos dão confiança de que iremos equilibrar esse problema", comentou o secretário.

Leia Também

Escolas municipais retomam aulas em definitivo e sem rodízio de turmas

As unidades municipais de ensino do Rio voltaram a receber os alunos na sua totalidade a partir desta segunda-feira (18), sem rodízio nas salas de aula, como vinha acontecendo por conta dos protocolos impostos pela Covid-19. Antes, havia um rodízio: cada turma frequentava a escola em um dia diferente, para evitar aglomerações e garantir o distanciamento nas salas.

Dados da Secretaria Municipal de Educação (SME) apontam que a adesão dos pais já era de 85% em agosto. A expectativa é de que alcance os 100% nas próximas semanas.

"Começamos em fevereiro desse ano com o início do ensino presencial, seguindo nosso protocolo sanitário. E agora é um novo passo em que a gente segue o Comitê Científico, que afirma não ser mais necessário o distanciamento. É o fim do rodízio. Todos os alunos podem retornar às aulas todos os dias", afirmou o secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha.

A retomada definitiva acontece em duas fases. A primeira, desta segunda-feira, é para alunos da pré-escola, 1º, 2º, 5º e 9º anos e Carioca II, de aceleração do ensino. A segunda etapa ocorre no dia 25 de outubro. O fim do rodízio de turmas priorizou os alunos que estão em alfabetização e nos anos de fim de segmento, como a Educação Infantil, e os ensinos Fundamental I e II. O grupo representa 300 mil dos 644 mil estudantes que frequentam as 1.543 escolas municipais do Rio.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários