Estudantes poderão retornar às escolas ainda em fevereiro
Raphael Alves / Agência O Globo
Estudantes poderão retornar às escolas ainda em fevereiro

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) derrubou nesta sexta-feira (29) uma  liminar que havia suspendido o retorno das aulas presenciais no estado em meio à pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Com isso, a retomada já será a partir de segunda-feira (1º) — com merenda, diálogo com as famílias e preparação de equipe — e em 8 de fevereiro, com o início de fato das aulas.

A decisão foi tomada pelo presidente da Corte, o desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco, que disse que a liminar anterior "compromete o plano estratégico de enfrentamento da crise causada pela pandemia da Covid-19, não consideradas as inúmeras cautelas adotadas".

O novo julgamento anula o juízo da 9ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de São Paulo, que determinou a suspensão da autorização para a retomada de aulas e atividades escolares presenciais nas escolas públicas e privadas, estaduais e municipais, localizadas em áreas classificadas nas fases vermelha e laranja do Plano São Paulo.

No texto de sua decisão, Franco diz que "o Poder Judiciário não dispõe de elementos técnicos suficientes para a tomada de decisão equilibrada e harmônica e desconhece o panorama geral de funcionamento das estruturas públicas" do estado de São Paulo.

Você viu?

"Oportuno novamente destacar que, ao ser atingido pela propagação do novo vírus, dotado de habilidade ímpar de contágio, o Estado de São Paulo, pelo seu Poder Executivo, com auxílio do Comitê Administrativo Extraordinário Covid-19, do Centro de Contingência do Coronavírus e do Centro de Vigilância Epidemiológica, adotou providências em todas as esferas administrativas a seu cargo, adequando-as aos diferentes estágios da crise sanitária mundial, que está, mais uma vez, em franca aceleração", escreveu o magistrado em outro trecho.

Franco também destacou o risco que se corre em relação ao não retorno de estudantes às escolas caso eles permaneçam muito tempo sem frequentar as salas de aula. "Não custa também asseverar que o tempo perdido de alfabetização dificilmente é recuperável, a formar cenário de danos perenes à formação de uma pessoa. O risco de abandono da escola, ou evasão escolar, igualmente é evidente", afirmou o presidente do TJ-SP.

Confira a íntegra da decisão:

A ação da juíza Simone Gomes, da 9ª Vara da Fazenda Pública, atendeu ao pedido do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e de outras associações para derrubar o decreto do governador João Doria (PSDB) que determinava abertura das escolas em qualquer fase do plano São Paulo.

No despacho, a magistrada afirmou que o ensino presencial não devia acontecer em áreas classificadas nas fases laranja e vermelha, se baseando "na proteção do direito à vida".

"A situação atual da crise sanitária não justifica a retomada das aulas presenciais nas escolas localizadas nas áreas classificadas nas fases laranja e vermelha, em nome da proteção ao direito à vida, que não pode ser desprezado, vez que constitui direito fundamental, inviolável", disse Gomes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários