min
Reprodução
Ministro da Educação Milton Ribeiro durante palestra


O ministro da Educação , Milton Ribeiro, declarou em entrevista à Rádio Bandeirantes que uma de suas prioridades à frente do MEC é combater o que chamou de " inversão " no ensino básico. Segundo o ministro, nos "últimos 10 ou 15 anos" grupos passaram "ter a ideia" de que seria possível "colocar na mente e coração dos meninos da escola públicas"  idéias como a de que " o capital era ruim ".


Segundo Ribeiro, a proposta da sua gestão no MEC não é tirar o senso crítico das crianças, mas apresentar este tipo de pensamento em uma etapa em que o aluno esteja mais preparado "para ler e entender". O ministro não disse qual o período ideal para ensinar o que chamou de " assuntos polêmicos ". Ribeiro defende que crianças aprendam "ferramentas básicas" para entender estes conceitos no futuro.

 "Eu creio que existe uma série de desencontros e discussões que se entremearam no foco maior do MEC, que é se preocupar apenas com educação. Isso talvez tenha atrapalhado nosso percurso nos últimos 10, 15 anos ", disse Milton Ribeiro após ser questionado sobre por que a educação brasileira é deficitária com um investimento tão allto.

O ministro disse que no período compreendido entre os governos petistas e do ex-presidente Michel Temer havia um entendimento de que "começou a se ter a ideia de que a escola seria um campo fértil não apenas para procurar ensinar". Segundo o minitro, houve a tentativa de ensinar a crianças que o sistema capitalista é ruim.

"A gente teve livros, por exemplo, mesmo para crianças na escola básica, que discutiam o mal que o patrão fazia para o empregado. 'Seu pai chega mais tarde porque seu patrão exige demais dele'. Essas coisas que poderiam eventualmente ser discutidas em outro momento", disse o ministro, sem citar quais livros e em qual período foram distribuídos aos alunos.

"Do jeito que estava, seriam ótimas pessoas para discutir essas questões como essa que eu citei, mas incapazes de ler um texto e entender o que estava escrito", declarou.

O ministro ainda citou a discussão sobre gênero e disse que pretende promover uma inversão do funcionamento desta suposta dinâmica de ensino das crianças e pré-adolescentes. De modo que nos anos iniciais os alunos aprendam apenas questões técnicas e básicas , com o pensamento mais analítico sendo desenvolvido posteriormente. 

"Essa inversão que estou querendo produzir, deixar alguma semente para o futuro, que nossas crianças tenham condições de ter esse instrumento, saber ler e entender. A questão do juízo crítico dessa ou daquela ideologia teria posteriormente, com condição de ela mesma avaliar questões polêmicas, como discussão sobre gêneros, enfim, todas essas questões", afirmou.

"Ela (no futuro) vai ter condições por ela mesmo de avaliar, mas não a gente procurar introduzir na mente dela, num período que a mente está bem plástica, valores que eventualmente são discutíveis por parte da população e não são uma unanimidade", disse.

    Veja Também

      Mostrar mais