Aplicativo do Enem
Toffetti / A7 Press / Agência O Globo
Erros no Enem fizeram candidatos ficarem com notas mais baixas

A Defensoria Pública da União ( DPU ), autora do pedido que interrompeu a divulgação do Sisu , entende que os documentos apresentados pela Advocacia-Geral da União ( AGU ) comprovaram as correções.

De acordo com o defensor João Paulo Dorini, o governo demonstrou que a Cesgranrio e a Fundação Getúlio Vargas, aplicadores e corretores do Enem, "afirmam categoricamente" que 100% das provas foram submetidas à revisão.

"Apesar das pessoas não terem recebido as revisões, a gente tem a informação de que elas foram feitas Além disso, a AGU demonstrou que não houve prejuízo ao estabelecimento para os parâmetros de correção de provas pelo TRI o fato de algumas provas terem sido afetadas com o erro nas correções."

Leia também: Bolsonaro diz que falhas no Enem serão apuradas e cogita sabotagem

Com as informações na mão, a DPU pediu ao juiz de 1.ª instância que derrubasse a liminar por entender que o governo já havia cumprido a decisão. Momentos depois de protocolar a petição, o Superior Tribunal de Justiça ( STJ ), ministro  João Otávio de Noronha, suspendeu a liminar.

"Com isso, a gente entende que eles cumpriram a decisão e não fazia mais sentido a liminar que impedia a divulgação dos resultados", avalia.

Fim do processo

No domingo, às 23h59m, terminou o prazo para que os estudantes fizessem a inscrição no Sistema de Seleção Unificado (Sisu). Em 2019 , foram 1.823.871 inscritos nesta etapa -- no ano anterior, haviam sido 2.117.908.

O prazo para inscrição previsto inicialmente era a última sexta-feira, mas foi prorrogado pelo governo depois que erros na correção de cerca de 6 mil provas se tornaram públicos.

Leia também: Atraso na divulgação do Sisu força mudanças em calendário de universidades

Neste semestre, são ofertadas 237.128 vagas em 128 instituições de ensino em todo o país.

Além dos erros nas correções, que deixou muitos candidatos inseguros, as inscrições no Sisu neste ano também foram marcadas por muitas instabilidades na plataforma e por confusões envolvendo as notas de corte. Uma mudança no sistema passou a computar a segunda opção dos vestibulandos, o que aumentou artificialmente as médias de cada curso.

    Leia tudo sobre: Enem

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários