Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR
Além de criticar a 'TV Escola', presidente chamou Paulo Freire de "energúmeno"

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta segunda-feira a TV Escola, dizendo que investir no canal é jogar dinheiro fora porque ninguém o assiste. Ao mesmo tempo, afirmou que a programação é "totalmente de esquerda" e "deseduca" o público.

Leia também: Ladrão deixa 'bilhete de agradecimento' após roubar encomenda e ainda faz piada

Na sexta-feira, o Ministério da Educação informou que o contrato de gestão com a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto, responsável por gerenciar a TV Escola, encerra no fim deste ano e não será renovado. De acordo com Bolsonaro , a renovação custaria R$ 350 milhões.

Em nota ao Globo, a Roquette Pinto disse que tentou "inúmeros contatos" com o MEC e com o ministro Abraham Weintraub para solicitar a prorrogação do prazo de desocupação, mas alegou que não recebeu respostas. O assessor jurídico da empresa, Flávio Souza, disse que a relação passou de amistosa nos cinco anos que tiveram de contrato para hostil nos últimos 10 meses.

"TV Escola? Você conhece a programação da TV Escola ? Deseduca. Por que a educação do Brasil está lá embaixo? Por causa dessas programações. Agora, tem um pessoal aproveitando, (dizendo): "Querem acabar com a cultura ". Esse tipo de cultura eu vou acabar. Queriam renovar o contrato, (por) R$ 350 milhões. Ia ser jogado no lixo", disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada, ao ser questionado por uma apoiadora sobre o assunto.

Minutos depois, Bolsonaro voltou ao assunto e afirmou que o canal propagandeava ideologia de gênero: "TV Escola, (estou) levando pancada por causa da TV Escola. Queriam que assinasse um contrato agora, o Abraham Weintraub, de 350 milhões. Quem assiste a TV Escola? Ninguém assiste. Dinheiro jogado fora. Era uma programação totalmente de esquerda . Ideologia de gênero. Dinheiro público para ideologia de gênero. Tem que mudar. Daqui a cinco, dez anos, quinze, vai ter reflexo".

Bolsonaro ainda criticou o educador Paulo Freire , chamando ele de "energúmeno", e relacionando suas ideias ao baixo resultado do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes ( Pisa ).

Leia também: Tiroteio e ruas bloqueadas! Bandidos explodem caixas eletrônicos em São Paulo

"Tem muito formado aqui em cima dessa filosofia desse Paulo Freire da vida, esse energúmeno. Foi ídolo da esquerda. Olha a prova do Pisa, estamos em último lugar do mundo. Se não me engano, em matemática, ciência e português, acho que um ou dois itens, somos o último da América do Sul. Vamos esperar o que desse tipo de educação?", disse o presidente.

O Brasil , no entanto, não ficou em último lugar na América do Sul. A Argentina ficou abaixo do Brasil por cinco pontos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários