MEC vai liberar R$ 54 milhões para o programa em 2020, sendo R$ 1 milhão por escola.
Marcelo Camargo/ABr
MEC vai liberar R$ 54 milhões para o programa em 2020, sendo R$ 1 milhão por escola.

O Ministério da Educação resiste em incluir o estado de São Paulo no programa de escolas cívico-militares do governo. A gestão do governador João Doria não aderiu ao prazo de inscrição previsto pela pasta, mas depois mostrou interesse em participar do projeto. As informações são da Folha de S.Paulo

Leia também: Enem na boca dos governantes: o que Bolsonaro e ministros disseram sobre a prova

O governo Bolsonaro pretende implantar 216 escolas cívico-militares em todo o País até 2023. Quinze estados e o Distrito Federal aderiram ao programa. O secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, no entanto, disse ao jornal que não havia entendido bem a proposta. 

No último dia de inscrição, 27 de setembro, o governo de São Paulo afirmou que tinha a intenção de ter escolas cívico-militares nas escolas do estado e encaminhou questionamentos ao MEC sobre o programa, pedindo a extensão do prazo. 

O ministro da Educação Abraham Weintraub, porém, não se mostrou disposto a estender o tempo de inscrição. "O governador de São Paulo falou: ‘Ah, a gente não tinha entendido, agora entendi’. Precisa agora seguir o rito, não é um ato voluntarioso. E agora está no período de inscrição para os municípios”, afirmou. 

Leia também: Bolsonaro veta projeto que exige psicologia e assistência social em escolas

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação declarou que pediu mais informações porque não foi publicada uma portaria com normas sobre a participação. A pasta afirma ainda que manifestou interesse no dia 3 de outubro, um dia depois de receber esclarecimentos do MEC. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários