Tamanho do texto

Segundo semestre da universidade começou nesta segunda-feira, mas reitora alerta para possibilidade de parada antes do final de agosto

UFRJ arrow-options
Reprodução
UFRJ pode interromper atividades em agosto


A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) informou, nesta segunda-feira, que pode interromper vários serviços ao longo deste mês e em setembro. De acordo com a instituição de ensino, o orçamento foi reduzido pelo governo federal. O segundo semestre letivo da UFRJ começou nesta segunda.

Leia também: Laboratório da UFRJ é roubado e amostras de vírus ficam em risco

Em nota, a UFRJ afirmou que até o mês de junho de 2019, as liberações de limite de empenho permitiram manter os contratos, em média, com dois meses de pagamentos em atraso. A mudança no padrão de liberação do MEC, iniciada em julho de 2019, que reduziu o limite mensal a 5% do orçamento de custeio, só permitiu que a instituição pagasse parte das despesas de maio de 2019.

Com isso, segundo a Universidade , despesas necessárias à manutenção da UFRJ, como fornecimento de energia elétrica, água e gases para os laboratórios, limpeza, vigilância, alimentação nos Restaurantes Universitários (RUs), entre outras atividades, correm o risco de não serem pagas e, consequentemente, podem ser suspensos pelos fornecedores.

Leia também: Bolsonaro reclama e MEC veta vestibular para transexuais em universidade federal 

De acordo com a UFRJ, a reitora Denise Pires de Carvalho já adotou uma série de medidas, como: redução das despesas com passagens e diárias; suspensão da distribuição de orçamento interno às unidades; e redimensionamento ou suspensão de investimentos previstos para 2019.

"A situação de 'limite zero' que nos tem sido imposta, associada à falta de previsão de liberações periódicas até o final de 2019, impede-nos de atuar com a mínima presciência", disse a instituição, em nota.

Leia também: Weintraub nega que governo planeja cobrar mensalidade em universidades federais

Prestes a completar 100 anos em 2020, a  UFRJ havia informado, em maio, que o governo federal bloqueou 41% das verbas destinadas à manutenção da instituição.