Tamanho do texto

Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira oferecia 120 vagas para candidatos transgêneros e intersexuais em cursos no Ceará e na Bahia

bolsonaro arrow-options
Marcos Corrêa/PR - 15.7.19
Presidente Jair Bolsonaro reclamou de vestibular exclusivo para transgêneros

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) acionou o Ministério da Educação (MEC) e determinou a suspensão de um vestibular específico para candidatos transgêneros e intersexuais na Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). O presidente havia ouvido reclamações sobre a abertura desse processo seletivo durante reunião realizada na semana passada com integrantes da bancada evangélica no Congresso.

Leia também: Bolsonaro cita Bebianno por engano e ex-ministro responde: "Consciência pesada"

Bolsonaro celebrou a decisão por meio de publicação na tarde desta terça-feira (16), em sua conta no Twitter. "A Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Federal) lançou vestibular para candidatos TRANSEXUAL (sic), TRAVESTIS, INTERSEXUAIS e pessoas NÃO BINÁRIOS. Com intervenção do MEC, a reitoria se posicionou pela suspensão imediata do edital e sua anulação a posteriori", escreveu o presidente.

A abertura do processo seletivo exclusivo para candidatos transgênero e intersexuais havia sido anunciada na semana passada pela Unilab. A instituição prometia oferecer 120 vagas para cursos no campi da universidade no Ceará e na Bahia, a partir de setembro.

O prazo para inscrições de candidatos transexuais, travestis, pessoas não binárias e intersexuais foi aberto nessa segunda-feira (15) e se encerraria na quarta-feira que vem (24). As vagas que seriam ofertadas estavam distribuídas para os cursos de Administração Pública, Agronomia, Antropologia, Ciencias Biológicas, Enfermagem, História, Humanidades, Letras/Língua Inglesa, Letras/Língua Portuguesa, Matemática, Pedagogia, Química, Sociologia (no Ceará); e Ciências Sociais, História, Humanidades, Letras/Língua Portuguesa, Pedagogia, Relações Internacionais (na Bahia).

O edital suspenso por decisão do presidente Bolsonaro foi assinado no dia 9 deste mês pelo pró-reitor de graduação da Unilab , professor Edson Lima Barboza.

Leia também: Campi da UFMT ficam sem energia elétrica por atrasos em pagamentos de contas