Tamanho do texto

Batizado de “Future-se”, o projeto do MEC traz uma série de ideias envolvendo a iniciativa privada para aumentar renda de federais

Secretário da educação superior do MEC, Arnaldo Lima, apresenta projeto arrow-options
Agência Brasil
Arnaldo Lima apresentou projeto Future-se, que faz parceria com ensino privado

O Ministério da Educação anunciou na manhã desta quarta-feira (17) detalhes do projeto Future-se , que tem como objetivo aumentar a verba privada no orçamento das universidades federais brasileiras.

No anúncio do projeto, o secretário de educação superior do MEC , Arnaldo Lima, listou uma série de atividades pensadas pelo governo para reunir mais verbas em parceria com a iniciativa privada. Entre elas estão vender os nomes dos campi, realizar parcerias públicas público-privadas e ceder prédios universitários para eventos em prol da geração de uma renda própria. “A gente quer permitir que a gente forme cada vez mais talentos para gerar mais oportunidades, porque a educação é um bem público”, afirmou Arnaldo. 

Leia também: Bolsonaro reclama e MEC veta vestibular para transexuais em universidade federal

O secretário de educação superior lembrou que o Future-se vai passar por consulta pública antes de ser efetivado e que, mesmo sendo oficializado, terá adesão a cargo das instituições públicas de ensino. Os contratos da Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) para a adminsitração de hospitais universitários foram usados como exemplo de parceria de sucesso.

Além da Ebserh, o secretário lembrou dos investimentos que já ocorrem no País. “A Vale está patrocinando a própria construção e manutenção do campus de Itabira. O campus de Itabira vai ser construído com o dinheiro privado. Isso é uma coisa que o ministro nos ensina, a  gente não pode ter complexo de vira-lata, a gente tem que acreditar em si mesmo”, afirmou. Ele lembrou que a Universidade de São Paulo ( USP ) e a Universidade Estadual de Campinas ( Unicamp ), ambas estaduais, realizam esses tipos de parceria e estão na frente em rankings mundiais de educação.

Leia também: Enem digital tem prós e contras, mas beneficiará alunos mais ricos, diz educador

Além dessas parcerias, a arrecadação de recursos para modernização de museus, bibliotecas e extensões por meio da Lei Rouanet e a criação de fundos financeiros para patrocinar pesquisas e premiar professores que atingirem bons resultados. 

O Ministério disse ter recebido R$ 50 bilhões em lotes da União. Com o fundo de patrimônio imobiliário, a ideia é ceder o terreno para a iniciativa privada e ter um tipo de “parceria” com o terreno construído pelo setor. “Isso vira um shopping, que em um terreno construído vai poder ser valorizado. O dinheiro da União aumenta, o dinheiro do Future-se aumenta e a própria rentabilidade das salas comerciais também vão agregar valor a esse programa e volta tudo para o investimento de multimercado que a gente quer fazer”, lembra. 

Quem tiver interesse em participar da pesquisa do Future-se pode responder aos questionamentos da consult a pública no site do Ministério da Educação.