Tamanho do texto

Após duas grandes mudanças na carreira, professor passou a dar aulas pelo Youtube e, hoje, acumula 2 milhões de inscritos e uma equipe de 17 pessoas

professor
Divulgação
Professor precisou de duas mudanças em sua carreira para se encaixar em uma profissão

Mudar de profissão pode parecer difícil, especialmente quando os dois cargos exercem funções completamente diferentes. Porém, Daniel Ferretto, de 43 anos, conseguiu ir da “água para o vinho”, como ele mesmo descreve, com muito sucesso. Mais conhecido como Professor Ferretto na internet, o policial federal se licenciou da corporação para se tornar um dos maiores influenciadores digitais de matemática do Brasil. 

Leia também: Número de jovens no ensino médio aumenta de 61% para 68,7% em 6 anos

Ferretto já era professor de curso pré-vestibular desde 1998, antes de começar a estudar matemática na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Durante 10 anos, o professor tinha a mesma rotina: lecionava cerca de 65 aulas semanais, em seis cidades do estado. Foi nesse momento que sentiu que algo estava faltando e decidiu abandonar o salário equivalente a R$ 10 mil na época para prestar concurso para a Polícia Federal. 

O professor pediu, então, demissão das seis empresas em que lecionava, vendeu seu carro e foi morar com a mãe em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, a fim de estudar para ser aprovado no concurso público da polícia. Após muitas provas, em 2012, o professor conseguiu ser aprovado na  Polícia Federal e foi trabalhar em Chapecó, em Santa Catarina, lugar para onde se mudou com a esposa e deu início a sua carreira como policial. 

De policial federal a professor 

youtube
Reprodução/Youtube
"Ferretto Matemática" acumula mais de dois milhões de inscritos no YouTube

Apesar de ter conseguido passar no concurso que queria, Ferretto ainda não estava satisfeito com a sua vida profissional e começou a sentir vontade de dar aulas novamente. Foi então que, em 2013, o policial percebeu que o YouTube era a plataforma que poderia ajudá-lo a voltar a lecionar e ainda assim permitir que ele continuasse dentro da Polícia Federal. 

“Um filme começou a passar na minha cabeça e alguns raciocínios lógicos começavam a ser resolvidos. Comecei a entender por que eu dava tantos passos para trás para cumprir com um objetivo, e porque assumia tantos riscos. A resposta era que eu queria ser empreendedor”, explicou.

Em abril de 2014, o professor criou o canal, chamado “ Ferretto Matemática ” e foi dessa forma que começou a postar vídeos de maneira amadora na plataforma e a entregar conteúdo de graça para o público. “Foi bem despretensioso quando eu comecei. Eu nunca imaginei que eu ia ter a quantidade de inscritos que eu tenho ou que eu iria criar uma plataforma para vender curso.” 

Porém, nem tudo foi fácil, já que se destacar é um dos principais desafios para aqueles que tentam se comunicar pelo YouTube. Os cerca de 1,9 bilhão de usuários que acessam a plataforma diariamente, segundo a corporação, têm a atenção disputada por diversos canais, com conteúdos variados. 

“Quando eu estava criando o meu canal, eu decidi ensinar da minha forma. Quando a gente está ensinando em cursinho, a gente tem um número de aulas por semana, certinho. A gente tem que dar aquele assunto em determinado momento. Então ali eu pensei: vou ensinar da maneira que eu sei. Começando pela matemática básica, resgatando todos os conceitos do fundamental e do ensino médio que são muitas vezes esquecidos. Eu tô me preocupando com a quantidade de aulas em cada assunto e devagarinho eu vou abrangendo um monte de gente”, contou.

Outras dificuldades que o meio digital impôs ao professor foi aprender a lidar com a tecnologia, com os equipamentos de gravação e com a falta de contato direto com os alunos. “Sou eu e a câmera. Em sala de aula a gente tem o feedback, o aluno pergunta, você fica ciente de quais são as dúvidas dele. Então, essa proximidade física é algo totalmente diferente do conteúdo online.” 

Leia também: Ministro da Educação quer dar bolsa a futuros professores que forem bem no Enem

"Eu acho que todo mundo tem a ganhar"

Apesar dos desafios, o professor foi se profissionalizando na atividade e, após dois anos, decidiu realizar um empréstimo com sua mãe e investir R$ 70 mil para criar uma plataforma de estudo online e passar a disponibilizar conteúdos pagos por meio de assinatura.

“Eu acho que, pela democratização da internet, pelo YouTube permitir que qualquer pessoa possa incluir assuntos ali, eu acho que essa é uma nova forma de o professor disseminar aquilo que ele mais gosta, atingindo mais pessoas e ajudando mais pessoas. Eu acho que todo mundo tem a ganhar.”

Com o crescimento do curso online e do canal no YouTube, Ferretto decidiu pedir licença não remunerada para a Polícia Federal , a fim de se dedicar totalmente a suas plataformas de conteúdo.

Mesmo após ter transitado por duas profissões que costumam ser enquadradas pela atual sociedade polarizada como 'de posicionamentos políticos opostos', o policial licenciado diz acreditar que tanto policiais como professores apenas defendem o que é o melhor pra eles e que cada um está certo ao seu modo. 

“Eu acredito que cada categoria acaba defendendo os seus interesses. Tem que defender o que seria melhor pra eles. Em primeiro lugar, eu acho que tem que pensar que nem todo mundo vai ganhar, então se tiver que ceder para melhorar o todo, melhorar o Brasil, eu acho que é super válido."

Leia também: Idosa que realizou sonho de se formar aos 70 anos ganha ensaio fotográfico; veja

Atualmente, o gaúcho mantém seu canal com mais de dois milhões de inscritos, uma equipe de 17 profissionais, uma plataforma de curso online e um blog pessoal, em que publica dicas de estudo para seus seguidores. O Professor Ferretto não revela seu faturamento, mas afirma que é dez vezes maior do que ganhava como servidor público e, com o grande sucesso, preserva como objetivo "ampliar o número de brasileiros que tomem gosto pela matemática, de uma forma divertida e prazerosa de aprender”.

Confira um vídeo do canal "Ferretto Matemática":



    Leia tudo sobre: YouTube