Tamanho do texto

Desse total, R$ 88,88 milhões serão destinados à complementação para o pagamento do piso do magistério, informa o Ministério da Educação

Pela lei do Fundeb, União repassa complementação aos entes federativos que não alcançaram o mínimo nacional por aluno
Senado Federal
Pela lei do Fundeb, União repassa complementação aos entes federativos que não alcançaram o mínimo nacional por aluno

O MEC (Ministério da Educação) informa que a parcela de julho da complementação da União ao Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) estará disponível nesta segunda-feira (31) nas contas correntes de estados e municípios beneficiários em todo o País.

Leia também: ProUni abre hoje inscrições para lista de espera do segundo semestre

Autarquia vinculada ao Ministério da Educação e responsável pela transferência dos recursos do Fundeb , o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) diz ter repassado cerca de R$ 888,85 milhões aos entes federativos na última quinta-feira (27). Dessa quantia, R$ 88,88 milhões referem-se à complementação para o pagamento do piso do magistério.

Leia também: Alunos da rede estadual de São Paulo podem baixar Office 365 gratuitamente

De acordo com a lei que instituiu o fundo, o governo federal repassa a complementação aos estados e respectivos municípios que não alcançam com a própria arrecadação o valor mínimo nacional por aluno – que, neste ano, foi estabelecido em R$ 2.875,03. A verba liberada para 2017 contempla os estados de Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí.

Destinação dos recursos

Principal fonte de financiamento da educação básica pública, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação é formado por percentuais de diversos impostos e transferências constitucionais, a exemplo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Pelo menos 60% dos recursos do fundo devem ser usados na remuneração de profissionais do magistério em efetivo exercício – professores, diretores e orientadores educacionais. O restante serve para despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino, compreendendo, entre outras ações, o pagamento dos demais profissionais ligados à educação, bem como a aquisição de equipamentos e a construção de escolas.

Leia também: USP oferece acesso gratuito a aulas virtuais de professores da universidade

O Ministério da Educação garante que, somente neste ano, o FNDE já repassou cerca de R$ 6,3 bilhões da complementação da União referente ao ano passado. Os valores do Fundeb referentes a cada estado e município do Brasil podem ser vistos no portal da Secretaria do Tesouro Nacional.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.