Tamanho do texto

Se você é daqueles que morre de medo dos cálculos na hora da prova, é melhor se preparar: no Enem essa matéria tem 45 questões e maior peso

Pesquisa revela que mais de 70% dos estudantes brasileiros não têm conhecimento básico de matemática
shutterstock/Reprodução
Pesquisa revela que mais de 70% dos estudantes brasileiros não têm conhecimento básico de matemática

Temida pela maioria dos estudantes, a prova de matemática pode ser uma das grandes preocupações na hora de se preparar para o vestibular. Muitas vezes avaliada com maior peso do que as outras matérias, a maioria dos vestibulares consideram as questões que envolvem cálculos e números mais importantes do que ciências, história e geografia, por exemplo.

Leia também: Faltando seis meses para o Enem, veja como se preparar para a prova

No caso do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) não é diferente. Dependendo do curso e da universidade escolhida pelo candidato, as 45 perguntas de matemática podem valer muito mais, influenciando diretamente no seu desempenho final.

Um dos motivos que pode explicar essa repulsa com os números, de acordo com uma pesquisa coordenada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e aplicada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no país, 70,25% dos estudantes estavam abaixo do nível básico de proficiência em matemática, no ano de 2015.

Mas não é preciso criar pânico. Os candidatos que irão prestar o Enem neste ano e estão se preparando para as provas podem seguir algumas dicas para melhorar seus resultados e aumentar a média para conquistar a, tão sonhada, vaga na universidade.

Veja algumas dicas de como se prepar

A primeira dica é que o candidato faça uma revisão das últimas provas, que darão uma base sobre quais temas caem mais e como são as questões. Segundo o professor de sociologia e especialista em gestão da Educação pela Universidade de Brasília (UnB), Borges, o ideal é que o estudante comece tentando resolver esses problemas para verificar como ele está se saindo e traçar um plano de estudo.

“Mais do que qualquer material publicado, o principal referencial do aluno são as edições do Enem desde 2009. O ideal é começar de trás para frente, fazendo as provas de 2016, 2015, 2014. De maneira alguma ultrapasse 2009, porque a avaliação era diferente da atual”, orienta o professor.

Feito isso, é importante separar quais são os assuntos que mais caem e focar nos que o candidato tem mais dificuldade. Os especialistas afirmam que as questões costumam girar em torno das mesmas temáticas, mas em níveis de dificuldade diferentes. O conteúdo costuma ser ensinado no nono ano do Ensino Fundamental até o primeiro ano do Ensino Médio.

Leia também: Edição do Enem de 2017 terá o menor número de inscritos desde 2013

Entre os temas mais recorrentes, estão:

  • Funções
  • Cálculo de área, volume e perímetros
  • Probabilidade
  • Progressão aritmética e geometria
  • Seno, cosseno e tangente
  • Análise combinatória

Gráficos e tabelas são muito utilizados nas provas. Para isso, é importante que o aluno saiba interpretar o que a questão pede e aplicar a operação mais adequada. Por isso, se esse não é o seu forte, nesses últimos meses de estudo, foque em perguntas que envolvem esses elementos para treinar.

Outros assuntos que estão presentes no exame são matemática financeira, que geralmente envolve porcentagem, média aritmética, moda e mediana, e regra de três.

Uma última dica que pode ser aplicada em qualquer tipo de prova, e ajuda a economizar tempo – valioso nessas situações – é a técnica de “pega-varetas”. Sabe aquele jogo que você joga as varetas no chão e tenta pegar as varetas que estão mais fáceis de alcançar sem tocar nas demais? Então, use esse método para resolver primeiro as questões mais simples e que você está familiarizado e deixe as difíceis para o final. É melhor se garantir no que você já sabe do que arriscar no mais complicado e depois não ter tempo para fazer o que poderia te ajudar a pontuar.

A prova

Neste ano, a prova do Enem sofreu várias alterações; uma delas é a data: o exame será realizado em dois domingos
Arquivo/Agência Brasil
Neste ano, a prova do Enem sofreu várias alterações; uma delas é a data: o exame será realizado em dois domingos

Nesta edição de 2017, o exame apareceu com diversas novidades. Para se sair bem, é preciso que o candidato saiba, não só tudo sobre as questões, mas também como será feita a prova.

Realizada em dois dias e no formato de provas impressas, o Enem passará a ser aplicado em dois domingos seguidos, nos dias 5 e 12 de novembro, e não mais em um único fim de semana como era feito antes.

A prova de redação também recebeu modificações e passará a ser realizada no primeiro domingo, juntamente com as provas de linguagem, código e suas tecnologias e ciências humanas e suas tecnologias, com duração de 5 horas e 30 minutos. No segundo dia de exame é que os estudantes irão ter que lidar com as perguntas de matemática e ciências da natureza e suas tecnologias, com 4 horas e 30 minutos de duração.

Dessa vez, exame deixa de certificar o ensino médio, o que volta a ser feito pelo Exame Nacional de Certificação de Jovens e Adultos (Encceja), que é a avaliação mais adequada para esse fim, e parte de uma parceria do Inep com os estados e municípios. Quem prestar o vestibular só terá direito ao acesso às universidades de ensino superior e instituições técnicas.

Os participantes receberão cadernos de questões personalizados (identificado com seu nome e número de inscrição), juntamente com os cartões de resposta encartados na prova, com seu nome e número de inscrição. Até 2016, os participantes recebiam o cartão de resposta separado da prova e faziam a identificação com a cor de sua prova. A novidade dos cadernos personalizados reforça a segurança dos quatro cadernos diferentes e identificados por cores.

O Enem 2017 terá seus resultados divulgados no dia 19 de janeiro de 2018 e continuará oferecendo as notas por área de conhecimento, individual de cada participante e da base consolidada para uso nos programas governamentais Sistema de Seleção Unificada (Sisu), Financiamento Estudantil (Fies) e Universidade para Todos (ProUni), entre outros. Mas não haverá mais resultado do Enem por escola. O Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) do ensino médio passará a ser universal e não mais amostral para escolas públicas e privadas. Isso permitirá o cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) por escola.

Leia também: Entenda quais programas aceitam as notas do Enem e qual é o melhor para você

    Leia tudo sobre: Enem
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.