undefined
Reprodução
"Sua trajetória foi calculada de forma milimétrica até chegar a hora de se lançar candidato a prefeito de São Paulo"

Para a maior parte do Brasil, João Doria Junior é um fenômeno novo, um gestor, como ele diz, nada a ver com política. Seu perfil, no entanto, foi sempre construído passo a passo na direção de um dia ser presidente da República. Quem o acompanhou no contínuo crescimento de sua empresa Lide sabe que a determinação de agora na Prefeitura de São Paulo sempre existiu. 

Leia também: Roberto Muylaert: É só uma picadinha

A primeira nomeação de João Doria foi para a Paulistur, no governo Mario Covas. A primeira coisa que fez ao tomar posse foi criar um conselho de pessoas influentes, ricas e bonitas da sociedade, que lhe deram aval para os demais ricos e bonitos. O próximo salto foi para a Embratur, onde em nível nacional seguiu exibindo sua capacidade de influenciar pessoas e realizar coisa que políticos não sabem fazer.

Ao mesmo tempo, partiu para a televisão, com destaque para o ‘Show Business’, na Manchete. Ali entrevistou centenas de empresários, colocando nas alturas as realizações de cada um, ao lhes prestar enorme atenção, mesmo que o assunto fosse banal, como soem ser as falas de empresários. 

No Fórum de Comandatuba, mostra enorme ascendência sobre os participantes, a ponto de ser quase obrigatória a presença de executivos de multinacionais, a pagar elevadas quantias para estar na companhia de colegas e políticos igualmente seduzidos por Doria. No fim do evento, farta troca de presentes entre os participantes, com caixas enviadas diretamente para a casa de cada um.

Leia também: Roberto Muylaert: Falcatrua atrás de falcatrua

Nesses dias, o organizador assume o comando da operação e leva os empresários para o lado que deseja, definindo até mesmo o traje que devem envergar. Com esse domínio absoluto dos homens de negócios, Doria realiza há anos uma quantidade enorme de eventos e respectivas publicações, como o Campos do Jordão Market Plaza, sempre com elevados retornos.

Sua trajetória foi calculada de forma milimétrica até chegar a hora de se lançar candidato a prefeito de São Paulo, quando seu cofre atingiu o altíssimo nível programado por ele.

Assim como faz com altos empresários no Lide, agora dá ordens a seu secretariado: acordar cedo, vestir roupas especiais, manter horários. Sempre que pode, toca o Hino Nacional e faz discursos onde só cabem certezas.

Leia também: Roberto Muylaert: Por que não?

João Doria tem muito dinheiro, muita vontade e grande conhecimento de marketing. Pode chegar à Presidência com discurso pronto para encantar eleitores desiludidos, como aconteceu com os sobreviventes da República de Weimar.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários