Tamanho do texto

Saiba tudo sobre a Reforma da Previdência e muito mais na Coluna Vertebral

Moradora do Capão Redondo, bairro da periferia de São Paulo, Juliana, 10 anos, tem paralisia cerebral severa. Não anda, não fala e não consegue se alimentar sozinha. A rua em que reside não tem asfalto, o esgoto corre a céu aberto. Transporte e serviços públicos são de difícil acesso na região. Sua mãe teve de largar o trabalho para se dedicar aos cuidados da filha que demanda 24 horas do dia. Com a cadeira de rodas menor que seu corpo, Juliana está há dois anos na fila do SUS aguardando um novo equipamento. Escola ela nunca frequentou.

Leia também: Choques na cabeça e resgate de movimentos - como me tornei uma tetra cobaia

Mara Gabrilli defende pontos importantes da Reforma da Previdência
Arquivo pessoal
Mara Gabrilli defende pontos importantes da Reforma da Previdência

Um cenário protagonizado pelo abandono e que deve, mais que nunca, estar no radar do atual governo e suas articulações para uma Reforma da Previdência justa e equilibrada. Afinal, o Estado brasileiro tem uma dívida colossal com as pessoas com deficiência. São décadas vivendo sem oferta de reabilitação, medicamentos, tecnologias ou atenção mínima de saúde.

Vale lembrar que a proposta preliminar da Reforma, originada ainda no Governo Temer , desvinculava o benefício de prestação continuada do salário mínimo (atualmente R$ 998). O BPC, como é mais conhecido, é pago para idosos com 65 anos ou mais e pessoas com deficiência de qualquer idade que vivem em situação de extrema vulnerabilidade social e não possuem meios de prover sua subsistência.

Miramos hoje uma economia próspera a curto prazo, médio e longo prazo. Mas sem um olhar cuidadoso do governo para os mais vulneráveis vislumbraremos um futuro de brasileiros cada vez mais miseráveis.

Apesar de não haver a necessidade de ter contribuído ao INSS, os critérios para a concessão do BPC são mais que rigorosos. A renda familiar per capita não pode ultrapassar um quarto do salário mínimo vigente (R$ 249,50, em 2019). O Benefício de Prestação Continuada também não paga 13º salário e não deixa pensão por morte. Ou seja, falamos de um benefício para que a família de Juliana e de outros brasileiros na mesma condição possam apenas sobreviver.

Será que o Brasil pode subtrair mais ainda dessas pessoas?

Venho alertando sobre a importância de se manter o benefício desde 2017, quando na Câmara apresentei a primeira emenda ao texto anterior da PEC da reforma da Previdência, junto aos deputados Eduardo Barbosa, Otavio Leite, Carmen Zanotto e Leandre.

Leia também: Chegou a hora do Senado se tornar acessível para todos os brasileiros

Ainda, venho dialogando com o novo governo - dessa vez junto ao secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para que o direito ao Benefício de Prestação Continuada não sofra mudanças drásticas ou de alguma forma retroceda.

Recentemente, já como senadora, também apresentei outras emendas relacionadas ao tema BPC e aposentadoria por invalidez – dessa vez à MP 871/2019, que condiciona o direito ao Benefício de Prestação Continuada à autorização do acesso de dados bancários das famílias beneficiárias.

Apesar da boa intenção do governo em conter fraudes, esta não me parece uma medida eficiente para fortalecer a fiscalização, mas sim uma chancela da descrença do Estado nas pessoas que mais precisam de seu amparo.

Criar um mecanismo que permita a violação de dados de famílias que já vivem uma realidade violada não é a solução para combater as tantas fraudes que ocorrem há muito tempo na Previdência. Sabemos também que a incidência de deficiências no Brasil está atrelada muitas vezes à omissão do Estado. A falta de saneamento básico, atendimento de saúde adequado, pouco acesso à informação e outros problemas decorrentes da pobreza acarretam um maior percentual de deficiência na população.

A paralisia cerebral, por exemplo, deficiência da Juliana, é dez vezes mais comum em recém-nascidos prematuros. É uma deficiência que poderia ser evitada em 40% dos casos com a oferta do atendimento adequado e de qualidade em todos os períodos de gestação da mulher, realidade que sabemos não corresponder com o precário sistema público de saúde do nosso país.

E são essas mesmas pessoas, já impactadas por políticas públicas falhas, que precisam arcar com o custo de uma deficiência. Um custo que é alto, já que o serviço público não arca sequer com a sonda que um cadeirante precisa para urinar. Não podemos tirar mais ainda dessas pessoas e incumbi-las essa conta. Uma conta que vem crescendo inclusive pela falta de gestão de governos anteriores.

Leia também: Ciência brasileira pode alavancar o desenvolvimento do país

É certo que a Reforma da Previdência é necessária, mas ela não pode ser realizada prejudicando ainda mais quem já vive na pele, há décadas, a omissão do Estado. No momento, o Brasil tem a chance de apenas não retroceder direitos dos mais vulneráveis. E esse é o mínimo que eles contam hoje.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.