Tamanho do texto

A diversidade faz um contrapeso necessário, soma, oxigena politicas públicas e fará a diferença no país do conservador Trump e também aqui no Brasil

Moradora do Bronx, um dos bairros mais ricos em diversidade dos EUA, filha de mãe porto-riquenha e pai norte-americano, Alexandria Ocasio-Cortez, 29 anos, foi eleita pelo estado de Nova York com mais de 70% dos votos. Ela se tornou a congressista mais jovem da história dos Estados Unidos e promete ser a voz de latinos, trabalhadores e imigrantes na política.

Leia também: Fake news é reflexo de educação analógica e política rasteira

Diversidade na política faz um contrapeso necessário, soma, oxigena politicas públicas e fará a diferença no país do conservador Trump e também aqui no Brasil
Divulgação
Diversidade na política faz um contrapeso necessário, soma, oxigena politicas públicas e fará a diferença no país do conservador Trump e também aqui no Brasil

Alexandria não está sozinha. As eleições de meio de ano dos EUA chegaram mostrando que uma grande parcela dos americanos querem novas vozes na política para compor uma genuína democracia.

Vozes como a de Rashida Tlaib e Ilhan Omar, eleitas por Michigan e Minnesota, que serão as primeiras mulheres muçulmanas no Congresso. Vozes de Ayanna Pressley, primeira mulher negra eleita por Massachusetts; Veronica Escobar e Sylvia Garcia, primeiras latinas a assumirem uma cadeira pelo Estado do Texas; Sharice Davids, que foi eleita pelo Kansas e será a primeira mulher indígena e abertamente gay do Congresso , e Jared Polis, que ganhou as eleições no Colorado e será o primeiro governador gay no País.

Pessoas que viveram na pele a xenofobia, o racismo, a homofobia e diversas formas de discriminação agora terão força para trabalhar por segmentos até então à margem de representatividade. Um movimento que, por experiência própria, conheço e aposto. A diversidade na política faz um contrapeso necessário, soma, oxigena políticas públicas e fará a diferença no país do conservador Trump e também aqui no Brasil – afinal, graças a nossa santa democracia, que balança mas não cai, ano que vem promete com novos nomes e bandeiras no Congresso.

Nascida na periferia de São Paulo, Tabata Amaral, 24, é um exemplo positivo de renovação na política. Filha de uma diarista e de um cobrador de ônibus, estudou em Harward e voltou para o Brasil para se dedicar à política. Foi a sexta deputada mais votada de São Paulo nessas eleições. Sua principal bandeira de trabalho é a educação, política pública que transformou sua vida e que agora ela pretende levar a outros tantos jovens.

Leia também: Chegou a hora do Senado se tornar acessível para todos os brasileiros

Transformação que Joênia Batista de Carvalho, advogada de Roraima, também busca na política. Ela é a primeira mulher indígena a ser eleita para a Câmara dos Deputados desde que a Casa foi criada, em 1824. Para se ter uma ideia, há 31 anos, desde que o cacique xavante Mário Juruna deixou o Congresso Nacional, nenhum índio era eleito deputado federal. A partir de 2019, Joênia promete trabalhar pelo Estatuto dos Povos Indígenas, que foi engavetado há anos. Vale dizer que sua vitória nas urnas representa uma conquista não só aos indígenas, mas às mulheres e a diversidade de maneira geral.

Diversidade muito bem representada por Erica Malunguinho que foi eleita deputada estadual por São Paulo. Em mais de 180 anos da Assembleia Legislativa Paulista, é a primeira vez que uma pessoa transgênera consegue uma vaga na Casa. Além de Erica, entraram também as candidaturas estaduais e coletivas envolvendo Erika Hilton, por São Paulo, e Robeyoncé Lima, que é de Pernambuco. Vitórias históricas da população trans do nosso país.

Não podemos esquecer dos homens. Felipe Rigoni, 27, foi eleito deputado federal pelo Espírito Santo. Ele é o primeiro deputado federal cego do nosso país. E representando também o eleitorado capixaba, Fabiano Contarato foi o senador mais votado de seu estado. Casado e com um filho, ele será o primeiro senador homossexual do nosso país. Além de defender a igualdade entre homens e mulheres, faz questão de expor valores cristãos e defender algumas pautas consideradas de direita.

Quer mais diversidade que isso?

Durante muito tempo, a política se mostrou um reduto muito homogêneo e sobretudo liderado por homens. Não ter um retrato da sociedade como de fato ela é – diversa – subtrai muitas vezes o olhar de nossos representantes para outras questões e camadas sociais, empobrecidas de representatividade entre aqueles cuja função é essencialmente ouvir e representar anseios.

Minha vida e meu trabalho personificam esse pensamento. Afinal, quando resolvi entrar para a política depois de quebrar o pescoço e perder os movimentos de pernas e braços, fui imbuída de um sentimento para trabalhar por aqueles, que assim como eu, tinham uma deficiência e não se sentiam incluídos. Até hoje, pelo que sabemos, além de mim, só houve no mundo mais um parlamentar tetraplégico, o argentino Jorge Rivas.

Leia também: Acesso à água e oportunidades: desafios que ainda temos que superar

Nestes vinte anos de trajetória pública, vejo que muitos espaços por onde passei como a “primeira tetraplégica” se transformaram para melhor para outras pessoas com e sem deficiência. Mas não só isso, estar entre políticos com condições e condutas diferentes das minhas tornou-se um exercício diário de aprender e ensinar com o outro a formular políticas públicas.

Hoje vejo que o mundo caminha, mesmo que ainda de forma incipiente, em direção oposta ao status quo de uma política excludente. Em tempos de tanta intolerância e polaridade, temos a chance de enriquecer nossa democracia, propondo intercâmbios, contrabalanceando ideias, correntes de pensamentos e formas diferentes de trabalhar e enxergar o Brasil.

Conviver com as diferenças enriquece o repertório de qualquer ser humano. E o atual representante público que não se dispor a ouvir e a olhar para todos tende a ficar para trás e cair no esquecimento.

Está mais que provado nas urnas que as pessoas já sabem a quem buscar para se sentirem de fato representadas na política .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.