Embaixador Cesário Melantonio Neto fala sobre as relações internacionais em tempos de pandemia
embaixador Cesário Melantonio Neto
Embaixador Cesário Melantonio Neto fala sobre as relações internacionais em tempos de pandemia

O chanceler Luiz Felipe Palmeira Lampreia lançou o conceito de diplomacia federativa , no Congresso, em 1995, ao reconhecer a importância da atividade internacional dos entes federativos.

Lampreia criou a assessoria de relações federativas com o fim de acompanhar a ação externa das unidades da Federação e criou vários Escritórios de representação do Itamaraty nos Estados.

Em tempos de pandemia , a compreensão do fenômeno das relações internacionais subnacionais afigura-se particularmente importante.

Quando o executivo federal demonstra deficiências ou falta de vontade política para combater o coronavírus, os Estados e as Municipalidades atuam com ações contínuas de cooperação internacional para a luta contra a pandemia.

A interlocução paradiplomática entre as unidades federativas reforça a diplomacia federativa. A criação do Foro Consultivo de Estados, Províncias, Departamentos e Municípios do Mercosul vai na direção de uma institucionalização crescente desse diálogo, como é o caso da União Europeia com o Comitê das Regiões.

As redes de cidades continuam cada vez mais ativas em suas ações de cooperação internacional a exemplo de São Paulo e de sua Secretaria de Relações Internacionais.

A cooperação transfronteiriça é outra faceta da diplomacia federativa em que agentes internacionais, nacionais, estaduais e municipais operam em prol de projetos comuns.

As agências multilaterais da ONU vêm interagindo com administrações subnacionais desde os anos noventa, explorando espaços de autonomia política e legal que os países democráticos reconhecem aos governos estaduais e municipais.

Os bancos internacionais de desenvolvimento, por exemplo, aumentaram bastante a sua cooperação direta com governos subnacionais. É o caso do banco dos BRICS, que apesar da variedade dos regimes políticos dos países membros, e diferentes graus de democracia, estimula os governos locais a usar os recursos financeiros da entidade.

Caso recente de diplomacia federativa relevante foi a criação do Consórcio Nordeste para uma parceria internacional entre todos os governadores da região, com o fim de combater a pandemia e impulsionar o comércio internacional.

O consórcio solicitou ao governo da República Popular da China ajuda para o envio de insumos, equipamentos, vacinas e materiais médicos. Antigamente, a relação com o exterior era algo tido como responsabilidade exclusiva dos governos centrais, mas essa situação mudou de maneira definitiva.

Governos estaduais e municipais, no âmbito de uma federação, também têm de perseguir uma melhor inserção global e dispor de uma estratégia internacional.

Você viu?

O Itamaraty precisa manter a preocupação constante com inclusão das unidades subnacionais no processo decisório da política externa brasileira.

A globalização e a democratização são o binômio responsável pela emergência dessas novas vozes na articulação da política exterior do Estado nacional brasileiro.

Trata-se de repensar o processo de construção das novas ações da Chancelaria, redefinir os termos do debate no interior da Casa para acomodar novas questões e atores com uma reflexão crítica sobre a relação entre as dimensões interna e externa do projeto nacional.

O receio da ação de unidades subnacionais no exterior não tem fundamento em um mundo globalizado e democrático. Muito pelo contrário, tal modalidade de atuação oferece mais  oportunidades do que riscos e deve, portanto, ser apoiada pelo Itamaraty .

Nos dias atuais, 22 estados e 366 municípios brasileiros possuem algum tipo de órgão que trata de relações internacionais, o que mostra que essa prática não é passageira e deve ser estimulada e apoiada pelas autoridades do governo central.

Um dos motivos que explicam a crescente atuação internacional dos entes federados é a eventual ineficiência dos governos centrais em atender as demandas políticas, econômicas e sanitárias de Estados e Municípios, impulsionando-os a relacionar-se com suas contrapartes ou mesmo com governos centrais de outros países e instituições internacionais.

No meio acadêmico, o tema tem também despertado interesse com inúmeros trabalhos sobre a intensificação da diplomacia federativa originando uma série de discussões profícuas a partir de disciplinas como Direito Internacional, Relações Internacionais e Economia Política Internacional.

Na literatura acadêmica, a atuação externa dos entes federados ficou conhecida igualmente como paradiplomacia.

A forte demanda internacional hoje de cooperação subnacional no terreno da luta contra a pandemia sublinha a atualidade das discussões retomadas sobre o papel da diplomacia federativa para fomentar o desenvolvimento local de estratégias de saúde pública e vacinação.


Neste momento de fragilidade que vivemos a retomada de uma melhor articulação entre o Itamaraty, os Estados e Municípios pode ajudar na diplomacia para a saúde. A Assessoria Especial de Assuntos Federativos e Parlamentares (AFEPA) do Ministério das Relações Exteriores, com os Escritórios de representação nos Estados do MRE, tem experiência acumulada desde 1997, para implementar e reforçar essa política da diplomacia federativa.

Faço votos de que a AFEPA colabore cada vez mais no processo de interlocução com as unidades da federação e, em particular, na diplomacia para saúde.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários