Tamanho do texto

A sentença é o resultado de uma ação movida por uma cidadã e sua filha, que processaram a nação em função de seus problemas respiratórios

Planeta

chaminés saindo fumaça
Pixabay
O Estado francês não implementou medidas entre 2012 e 2016 para limitar a poluição na região de Paris

Em uma decisão inédita, o Estado francês foi condenado ontem por não fazer o suficiente para limitar a poluição do ar em torno de Paris, conforme sentença judicial proferida depois que uma mulher e sua filha com problemas respiratórios processaram a nação, informaram ontem os jornais Le Monde  e The Guardian . Farida, de 52 anos, e sua filha de 16 anos, cujos nomes completos não foram divulgados pelo tribunal, moveram a ação motivadas pelo impacto de viverem perto de um anel viário ao redor da capital francesa, em Saint-Ouen.

Leia também: Afinal, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo? Entenda 

Farida havia afirmado a uma associação que luta por um ar mais limpo que teve infecções respiratórias por anos, assim como sua filha. No caso dela, os problemas começaram com infecções nasais e de garganta e foram piorando gradualmente. “Eu repetidamente tive bronquite. Os médicos me deram antibióticos, mas isso não ajudou”, disse.

“Há três anos, fui enviada a um especialista em pulmões que disse que meus problemas estavam ligados à poluição do ar. Ele me aconselhou a me mudar”, acrescentou a mulher. “Minha filha teve bronquite quando bebê, depois asma enquanto crescia.” Quando Farida e sua filha se mudaram para Orléans, os sintomas começaram a enfraquecer e acabaram desaparecendo. 

Levado ao Tribunal Administrativo de Montreuil (Seine-Saint-Denis), o caso foi o primeiro em que indivíduos – com o apoio de vários grupos de ambientalistas – processaram o Estado francês por sua falta de ação diante da poluição do ar e no qual a responsabilidade deste último foi mantida.

Leia também: Reino Unido anuncia que pretende eliminar emissão de carbono até 2050

Segundo o veredito publicado pelo tribunal, “o Estado cometeu uma falta ao tomar medidas insuficientes em relação à qualidade do ar ”. Entre 2012 e 2016, o Estado não teria implementado as medidas necessárias para reduzir as concentrações de determinados gases poluentes em Île-de-France, região administrativa onde se encontra a capital francesa. Esse plano é a estratégia do Estado para dar ao povo de Paris um ar melhor, acelerando as medidas tomadas para reduzir a poluição.

O tribunal rejeitou o pedido de indenização de € 160 mil (cerca de R$ 700 mil) das mulheres por danos, por não encontrar uma ligação direta entre seus problemas de saúde e as falhas do Estado. Mesmo assim, o resultado foi comemorado pelo advogado das mulheres, François Lafforgue: “A partir de agora, o Estado terá de tomar medidas efetivas no combate à poluição”, afirmou.

Leia também: Micróbios que "comem" plástico: os novos aliados na luta contra o lixo marinho

“Este é um julgamento histórico para os 67 mil franceses que morrem a cada ano prematuramente devido à poluição do ar. Hoje, vítimas de poluição, como (a causada por) agrotóxicos, não devem mais ter medo de ir ao tribunal para defender sua saúde”, comentou Nadir Saïfi, vice-presidente da associação Ecologia Sem Fronteiras (ESF). “A Justiça envia uma mensagem clara ao Estado, encorajando-o a não mais proteger os lobbies poluentes, mas os cidadãos.”

Tranquilizada pelo desfecho da ação, Farida disse: “Espero que outras pessoas no meu caso também ousem apresentar uma queixa.”