Tamanho do texto

Com quase 10 metros de comprimento e tão larga quanto um humano, a píton-reticulada não comia há um ano quando caçou o animal na Indonésia


Depois desta refeição, a cobra da espécie píton-reticulada só precisará caçar novamente daqui 12 meses
Reprodução/Mirror
Depois desta refeição, a cobra da espécie píton-reticulada só precisará caçar novamente daqui 12 meses

A espécie Píton-reticulada é conhecida como a maior do mundo, e recentemente, uma cobra desta linhagem foi filmada em uma cena surpreendente. De acordo com o portal britânico Mirror , as imagens mostram o réptil engolindo um cervo por inteiro, uma refeição equivalente a garantia de nutrição por todo um ano.

Leia também: "Encantador de cobras" morre ao ser picado por serpente venenosa durante captura

O vídeo foi gravado na Indonésia e mostra a cobra , que tem quase 10 metros de comprimento e pode ter a mesma largura que um humano, caçando após passar 12 meses sem se alimentar. Capaz de engolir um crocodilo de uma vez só, a serpente se camufla no ambiente e consegue se aproximar do cervo, que pesava cerca de 30 kg, e usa os dentes para atacá-lo.

O réptil se enrola ao redor do corpo do animal, o mata por sufocamento e, enfim, engole o mamífero. A captura deste cervo significa que, agora, ela só precisará se alimentar novamente daqui um ano, já que os nutrientes providos pela mais recente caça são o suficiente para mantê-la vida e alimentada durante o período completo de 12 meses.

Impressionante caça de serpente

Em outro caso que envolveu uma serpente caçando um cervo, uma píton birmanesa foi flagrada devorando um animal cujo peso ultrapassava o do próprio réptil . De acordo com nota do Centro de Conservação do Sudoeste da Flórida, a situação pode ser usada para compreender o impacto de tal espécie no ecossistema de Greater Everglades, no sul do estado.

Os pesquisadores do Centro acreditam que a píton birmanesa esteja causando uma influência invasiva e negativa aos animais da região. Segundo o biólogo Ian Bartoszek, “imagine as consequência potenciais para o estado e a área federal protegida de panteras na Flórida se os animais afetarem o número de veados-de-cauda-branca, a principal presa das panteras”.

Leia também: Cientistas descobrem motivo por trás de "mistério" da leoa que desenvolveu juba

O Centro de Preservação está envolvido em um projeto que tenta compreender os comportamentos reprodutivo e alimentar da espécie, o que deve ajudar na busca por soluções para controlar as serpentes . Em 2015, por exemplo, o grupo localizou uma cobra píton com mais de três metros, que, após ser capturada, regurgitou um filhote de cervo que pesava mais do que a própria serpente.