Tamanho do texto

Em palesta no RD Summit de Florianópolis, pesquisadora Yvonne Cagle, da Nasa, explica que missão à lua marcada para 2024 testará novas tecnologias

Astronauta americana Yvonne Cagle, da Nasa, palestrou no RD Summit, em Florianópolis
Divulgação/RD Summit
Astronauta americana Yvonne Cagle, da Nasa, palestrou no RD Summit, em Florianópolis

A astronauta americana Yvonne Cagle não esconde sua empolgação com a missão tripulada que fará com que, até 2024, o homem volte a pisar na lua  – o que não ocorre a mais de quatro décadas. Durante palestra concedida aos participantes do RD Summit, evento realizado em Florianópolis (SC) e que tem nesta sexta-feira (9) seu último dia, Yvonne disse também acreditar que a humanidade fará sua primeira viagem a Marte dentro de 20 anos.

Aos 59 anos, Yvonne Cagle é atualmente pesquisadora clínica aeroespacial da Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos, e tem como sua principal área de estudo o desempenho e a resiliência humana no espaço. A astronauta conta que seu trabalho ajuda a preparar excursões para fora da órbita terrestre.

“Desenvolvem-se os mais variados estudos no espaço, como pesquisas com inovações tecnológicas, o efeito do corpo humano no espaço e como isso pode auxiliar nas pesquisas relacionadas à recuperação física, já que o corpo se recupera mais rápido”, disse Cagle durante sua palestra, realizada nessa quinta-feira (8).

Leia também: Estação Espacial Internacional pode ter sido sabotada por astronautas em órbita

A última viagem do homem à lua data de 1972, quando foi encerrado o Programa Apollo, lançado pelos Estados Unidos durante a corrida espacial com a União Soviética, durante a Guerra Fria. O retorno previsto para até 2024 faz parte do projeto de enviar uma missão tripulada a Marte nas próximas décadas.

A proposta da nova missão lunar é criar uma estação espacial em nosso satélite natural para testar a tecnologia que deve ser usada também na viagem a Marte . "Estamos nos preparando para uma visita à lua, mas, dessa vez, será diferente. Não queremos apenar deixar pegadas, acreditamos que esse é o momento ideal para estabelecermos uma presença permanente na Lua”, disse vice-presidente dos EUA, Mike Pence, em agosto.

Longe da Nasa , Yvonne Cagle é professora visitante de várias universidades, incluindo a Universidade de Stanford, Fordham, e a Universidade da Singularidade. Seu trabalho facilitou o relacionamento entre a Nasa e Google, com foco em respostas a desastres, e ministrou palestras para o TedX Bélgica, World Science Festival, em Nova Iorque, e Hyperloop Academy. Cagle também desenvolveu uma abordagem inovadora para a restauração rápida.

Leia também: Cientistas encontram evidências de água em Marte em espécie de lago subterrâneo

As declarações da astronauta sobre os futuros planos fora da órbita terrestre foram dadas durante o RD Summit, sediado em Florianópolis, que chega ao seu último dia hoje, reunindo mais de 12 mil pessoas e 150 palestrantes de diferentes países e da mais diversas áreas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.