undefined
Reprodução/Agência Japonesa de Exploração Espacial (JAXA)
Agência Japonesa de Exploração Espacial (JAXA) conseguiu pousar duas sondas para estudar asteroide Ryugu na sexta

Duas sondas lançadas pela espaçonave japonesa Hayabusa-2 aterrissaram em um asteroide, na última sexta-feira (21), pela primeira vez na história. Nomeados como Minerva II-1, os jipes, ou rovers , como são popularmente conhecidos, enviaram imagens da sua chegada ao corpo rochoso Ryugu, que está a 280 milhões de quilômetros de distância do planeta Terra. As informações são do The Guardian .

Leia também: Astrônomos descobrem o planeta Vulcano, casa do personagem Spock de Star Trek

A equipe da Agência Japonesa de Exploração Espacial (JAXA) usou o perfil oficial da missão no Twitter para comunicar que a aterrissagem foi um sucesso. O grupo ainda destacou que a chegada das sondas, apesar de bem-sucedida, foi muito complexa, já que a Hayabusa-2 teve de se aproximar a uma distância de apenas 55 metros do asteroide para, antão, lançar o Minerva II-1. 

As sondas enviadas ao espaço foram produzidas com o objetivo de percorrer a superfície do Ryugu e coletar dados relevantes, tais como massa, densidade e gravidade, determinando, assim, a composição mineral dele. 

Leia também: Mistério do 'rosto na Lua' é desvendado por cientistas americanos; descubra

As sondas que pousaram no asteroide Ryugu

undefined
Reprodução/Agência Japonesa de Exploração Espacial (JAXA)
Previsão é que a espaçonave volte ao local da ‘explosão’ para coletar amostras de rochas e dados sobre o asteroide

Lançada em dezembro de 2014, a Hayabusa-2, que significa "falcão peregrino" em japonês, chegou ao Ryugu em junho deste ano, orbitando entre a Terra e Marte. Os cientistas da JAXA explicaram que a missão principal do objeto espacial é trazer informações suficientes para que entendam como o asteroide gira em torno de seu próprio eixo a cada 7,5 horas, mais lentamente do que outros objetos de tamanhos parecidos.

Para isso, a Hayabusa-2 enviará outros rovers para o corpo rochoso ainda esse ano. Segundo a agência, no primeiro semestre de 2019, a missão destruirá uma cratera no Ryugu usando um projétil de dois quilos. Para que não sofra danos devido à ​​ dispersão de detritos, a equipe pretende mover a espaçonave para o lado oposto do Ryugu, lugar estratégico para que possa também registrar a colisão.

Leia também: Plutão deve voltar a ser considerado um planeta, defende nova pesquisa

A previsão é que a Hayabusa-2 volte ao local da ‘explosão’ para a coleta de amostras de rochas no asteroide , a fim de que os cientistas levantem dados sobre a origem do objeto durante a formação do Sistema Solar. O retorno oficial da espaçonave a Terra deve acontecer no final de 2020.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários